Temas de Capa

A vida a quem pertence

portrait-of-a-cute-ta

 

Olá, muito bom dia!
Cá estamos. Fevereiro, março, abril etc, etc e os dias correm.

Fala-se de instabilidade. Fala-se de guerras. Vivem-se doenças ferozes. Tudo a correr sem parar. Século XXI no seu pior.

E agora? Que rumo tomar?

Em Toronto pegou na moda – roubar carros da garagem e da propriedade alheia está a tornar-se numa moda. Algo viral. Vivemos numa selva humana onde os animais são mais, mas muito mais, disciplinados. Mais meigos e leais.

Correr e trabalhar tanto para quê? Ou, neste caso, para quem? Pelos vistos, para quem nada quer com o trabalho, mas pronto. Com certeza que o Milénio desta semana vos vai dar muitas informações sobre este tema. No meu caso vou escrever algo sobre uma causa que me toca o coração e a mente. – a causa animal.

Digam-me o que significa ter um animal a seu/vosso cargo? Algo em que deposita frustrações ou algo a quem se vai dedicar e tratar com dignidade, respeito e amor?

A segunda hipótese é a única hipótese.

Ando doente com a forma como algumas pessoas adquirem e tratam os animais. Mais propriamente os cachorros. Ando enojada com a raça humana que não sabe o que faz. Pessoas más e sem coração. Não seres como diz uma amiga minha. É o que é e vale o que vale. Em Portugal há muito disto. Também existe no nosso meio e mundo fora, mas se nada se disser ou fizer, pior ficamos. Vou-vos deixar uma notícia de um caso óbvio do que deve de começar a acontecer pela causa animal. Mais e mais justiça.

“O cavaleiro João Moura foi condenado a mais de quatro anos, com pena suspensa, por maus-tratos a animais. O arguido tinha assumido “parte da responsabilidade” por 18 dos crimes de que estava acusado.

O cavaleiro João Moura foi condenado a quatro anos e oito meses de prisão, ficando com pena suspensa. Essa foi a sentença proferida no caso de maus-tratos a animais, sendo que o tribunal deu o arguido como culpado dos crimes de que estava acusado.

O Ministério Público (MP) tinha pedido a condenação do cavaleiro, acusado por 18 crimes de maus-tratos a animais de companhia. tendo o arguido optado por falar no final da sessão anterior à leitura da sentença, assumindo “uma parte” da responsabilidade.

O Tribunal de Portalegre decidiu ainda que João Moura não pode possuir animais de companhia por um período de cinco anos e proibiu-o de frequentar feiras e corridas de cães por um período de três anos.

A sentença decreta que, até ao final do período de suspensão da pena – os quatro anos e oito meses -, o toureiro deve doar 3.000 euros a três associações que receberam, na altura dos factos, os seus cães, devendo ainda o cavaleiro frequentar um programa de reinserção a determinar pela Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.”

Realmente, todos temos que abrir a pestana e ajudar quem não se pode defender. Se este Senhor, por quem eu até em tempos nutri alguma simpatia, é deste calibre, que tenha o que merece e devia ser punido à séria. Mas do cadastro não se livra.

Hoje tive de vos contar como estas situações me deixam doente.
Fiquem bem e até já,

Cristina DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER