Editorial

Mudança de Informação

Editorial

Mudança de Informação-editorial-mileniostadium
Cartoon by Stella Jurgen

O streaming é uma palavra que cada vez mais afeta a forma como as pessoas transmitem e recebem áudio e material em vídeo. As redes de computadores tornaram-se componentes essenciais nas nossas vidas porque exigem um fluxo constante e contínuo de dados, permitindo que a reprodução dos dados comece enquanto outros ainda estão a ser recebidos. 

Esta é outra tendência que irá modificar os nossos hábitos na forma como consumimos e compramos as coisas que precisamos. À medida que o mundo avança, as populações exigem mais e melhor, muitas vezes com um custo, devido às complicações disruptivas para as nossas vidas pessoais e para o bem-estar do país. 2022 será dominado pela necessidade de nos ajustarmos a novas realidades, ambas em áreas moldadas pelos novos avanços tecnológicos e tendências que reafirmam estes avanços.

A internet, onde se inclui a dark web, irá criar mundos nunca antes imaginados. O Facebook está a reformular-se porque reconhece que o mundo Meta está ao virar da esquina. A duplicação dos nossos seres irá criar sociedades imaginárias que irão desculpar imagens comportamentais baseadas nas nossas realidades utilizando a verdade da questão sem o envolvimento personalizado.

Países como os EUA e a China irão conduzir guerras com base em reações negativas perante as empresas de tecnologia, onde a ‘deep tech’ é a prioridade e não os jogos ou outras futilidades. As empresas que não obedecem vão pagar um preço elevado porque a inovação e dinamismo são uma prioridade. É por isto que o streaming se tornou num produto bem recebido, porque oferece aos seus usuários a capacidade de interação com qualquer pessoa no mundo, sem sair de casa. A preguiça continuará a tomar conta das nossas vidas, com as gerações mais jovens a escolher os caminhos que o Google sugere. Os pais já não têm controlo sobre os seus filhos o que, em muitos aspetos, espelha o caos de desenvolver uma ordem mundial onde a China e EUA continuam a sua corrida pela dominância. A China tornou-se mais agressiva no exterior e as medidas protecionistas do Ocidente vão determinar uma guerra fria com base na tecnologia, com cada lado a tentar mostrar a superioridade do seu governo. 

Não o culpo se questionar qual a relação entre as instituições políticas e o mundo da internet. O futuro pertence àqueles que controlam as redes sociais e os avanços tecnológicos para vencer guerras e conquistar a mente dos eleitores. O futuro do poder será baseado num domínio fascista onde os nossos pensamentos (data) serão utilizados para devolver aquilo que você já tinha providenciado.

A cibersegurança já não é suficiente para proteger os bons dos maus. É uma guerra sem fim, onde você faz parte dos soldados que eventualmente pagarão o preço quando as informações sobre as suas vidas forem roubadas e utilizadas como mecanismos de terrorismo. 

O futuro terá inteligência artificial e máquinas que dominem campanhas políticas, com base em ressentimentos e guerras culturais que serão vendidas como um anúncio à democracia. No futuro, vocês serão os peões utilizados nas guerras políticas que vocês próprios não conseguirão compreender.

Numa perspetiva mais positiva, podemos preparar-nos para o desenvolvimento rápido das coisas, que com o tempo irão melhorar a sociedade, tal como aviões movidos a hidrogénio, agricultura vertical, contentores-navio, implantes ósseos em 3D, táxis elétricos voadores, turismo espacial, drones que fazem entregas, casas impressas em 3D, etc. Por agora, o metaverso está a chegar, você entrará num mundo virtual persistente, onde as pessoas se podem conhecer, namorar, jogar jogos, comprar e vender coisas e muito mais. Quem é que precisa de sair de casa? Imprima a sua casa e torne-se num cidadão Meta.

Eu vou verificar na dark web se a realidade continuará a existir.

Fique bem e proteja os seus dados.

Manuel DaCosta/MS


version in english

Mudança de Informação-editorial-mileniostadium
Cartoon by Stella Jurgen

Information Shift

Streaming is a word, which increasingly affects how people transmit and receive audio and video material.  Computer networks have become essential components in our lives because of the demands for steady and continuous flow of data, allowing playback to start while the rest of the data is still being received.

This is another trend which will modify our habits on how we consume and buy the things we need. As the world moves ahead, populations demand more and better, often at a cost due to disruptive complications to our personal lives and the economic well-being of the country. 2022 will be dominated by the need to adjust to new realities, both in areas shaped by new technological advances and trends that re-assert these advances.

The internet, which includes the dark web, will create worlds never before imaginable.  Facebook is rebranding because they recognize that the Meta world is around the corner.  The duplication of our beings will create imaginary societies, which will excuse behavioral imagery based on our realities using truth of the matter without personalized involvement.

Countries such as the US and China will conduct techlash wars where “deep tech” is a priority and not games and other frivolities. Companies who don’t comply will pay a huge price because innovation and dynamism are a priority.  This is why streaming has become an embraceable product because it allows its user the capability of interacting with anyone in the world without leaving home. Laziness will continue to overtake our lives with the younger generation choosing paths that Google suggests. Parents no longer have control of their children, which in many aspects, mirror the chaos of developing a world order as China and the USA continue their race for dominance. China has become more aggressive abroad and protectionist measures by the west will ascertain a cold war based on technology with each side striving to show superiority of its system of government.

Won’t blame you to wonder what political insights have to do with the world of the internet. The future belongs to those who control social media and advancements in technology to win wars and the minds of voters. The future of power will be based on a fascist realm where your thoughts (data) will be used to give you back what you provided before.

Cybersecurity is no longer sufficient to protect the good guys from the bad dudes. It’s a never-ending warfare where you are the soldiers that eventually pay the price by having your informatic lives stolen and used as a terrorist mechanism.

The future will have artificial intelligence and machine learning dominate political campaigns based on resentment and culture wars, which will be sold as an advertisement for democracy. You will be the peons used in future political wars, which you cannot understand.

On the positive side, we should get ready for rapid development of things, which in time will improve society, such as hydrogen-powered planes, vertical farming, container ships with sails, 3-D printed bone implants, flying electric taxis, space tourism, delivery drones, 3-D printed houses, etc. For now, the metaverse is coming where you will get into a persistent virtual world, where people can meet, flirt, play games, buy and sell things and much more.  Who needs to go out? Print your house and become a Meta citizen.

I will check the dark web to see if reality will still exist.

Be well and protect your data.

Manuel DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER