Temas de Capa

Our home and native land

Dia do Canadá

Our home and native land-canada-mileniostadium
Créditos: DR.

Então olá,

E um excelente quinta-feira para todos. Espero-vos muito bem e bem saudáveis. 

Celebramos o Dia do Canadá. Dia de todos nós que escolhemos ou que, no meu caso, escolheram este país para eu viver e crescer.

Pois bem, então já que colocámos “sal na ferida”, vamos tentar perceber o que realmente significa “to be Canadian”.

Este modo de ser verdadeiramente, ou não, cidadão canadiano. Cabe a cada um de nós responder.  Seguir regras e respeitar o espaço que nos rodeia. Será o primeiro tema que me vem à memória. Claro, saber ser e saber estar, não deveria de fazer parte só das regras deste país, mas de um mundo na sua globalidade.  Porque, pelo que me parece, as pessoas quando decidem por um motivo ou por outro fazer deste grande país a sua casa, tendem a mudar de atitude. Respeitam situações por cá que, por exemplo no nosso caso, em Portugal ignoravam. Regras de trânsito, não cuspir no passeio, não insultar os demais porque lhes apetece, não fazer barulho nas ruas após as 11 horas da noite.  Não poder beber bebidas alcoólicas na grande maioria dos espaços públicos, etc.  Então porque não cumprir regras semelhantes nos países de origem? Estive a fazer uma pesquisa que me deu conta que só na GTA, grande área de Toronto, vive 52% da população nascida em outros países.  E que a GTA é a área mais multicultural do mundo. Eu ficava-me pelas 134 etnias diferentes, mas já não é o caso. São 250. Wow. Até eu me surpreendi.  Então o que significa verdadeiramente ser canadiano? E como é que todos nós celebramos o dia 1 de julho, designado como Dia do Canadá?

É um dia feriado para muitos, este ano (até inconvenientemente a uma quinta-feira) lol.  Onde nem “ponte“ se pode fazer.

É o que é e vale o que vale. Não estamos aqui, muito menos eu, para criticar e ditar regras de como, quando e de que forma se deve ou não celebrar este feriado nacional. Desde que seja feito com respeito e com as regras atuais em mente. Vale sempre a pena celebrar. Seja em casa, num parque. Numa praia “de lago” pois porque por estas bandas temos o maior lago de água doce do mundo, o Lago Ontário, mas dizia eu, seja por onde for… celebre. Seja feliz e abrace o país onde reside com carinho e respeito. Independentemente das “manchas religiosas e políticas“ pelas quais passamos atualmente. Não deixe de celebrar.  Os erros também podem ser corrigidos. Com algum esforço e muito boa vontade.

Bem hajam,

Fiquem bem e um até já,

Cristina DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER