Desporto

Aqui ninguém vem vencer

Aqui ninguém vem vencer-deposto-mileniostadium
Créditos: DR

Foi uma vitória tímida mas suficiente para afogar as mágoas. Depois do afastamento da Liga dos Campeões, o F.C. Porto venceu, por 1-0, o Sporting de Braga, conseguindo o nono triunfo consecutivo e mantendo a invencibilidade no Dragão – são sete vitórias em sete partidas.  Aqui não há quem vença… a não ser os da casa!

Os dragões assumiram o controlo do jogo e Vitinha obrigou Matheus a uma grande defesa aos 13’. Os minhotos não tardaram a responder, com Francisco Moura a rematar ao poste da baliza azul e branca, mas seria a equipa da casa a chegar ao golo aos 22’, depois de Uribe receber a bola e isolar Luis Díaz, num frente a frente com o guardião minhoto. Como já é hábito, o colombiano não tremeu e voltou a fazer das suas, sempre com muita classe: picou a bola e fez o 1-0. 

Daqui até ao final do jogo assistimos a um par de boas oportunidades para ambos os lados – de realçar o remate de Uribe aos 27’, que obrigou o guarda-redes dos Guerreiros do Minho a “voar” – mas o marcador não voltou a mexer. O F.C. Porto tem agora 38 pontos, os mesmos que o Sporting, que nesta jornada também venceu na receção ao Boavista.

Depois de Coates ter tentado o cabeceamento, Adán negou o golo a Gorre aos 8’ e aos 21’ Nuno Santos recebeu um cruzamento rasteiro de Porro que o deixou frente a frente com Beiranvand, que com uma mancha evitou o que seria o primeiro golo leonino.

Assim, o intervalo chegou e golos nem vê-los – quer dizer, Porro ainda introduziu a bola na baliza axadrezada, mas o lance foi invalidado por fora de jogo de Matheus Nunes.  Já na segunda parte, Pote faz um passe em profundidade para Nuno Santos, que por sua vez cruza para Sarabia, que se encontrava numa posição privilegiada para marcar – e foi isso mesmo que fez.

Poucos minutos depois foi a vez de Nuno Santos fazer o gosto ao pé: lançado por Pote, o avançado fez, de pé esquerdo, o segundo da equipa de Rúben Amorim, batendo Bracali, que havia substituído o guardião iraniano. Até ao final da partida ainda houve tempo para Pote fazer o mais difícil e falhar, aos 81’, um golo quase certo.

Darwin foi o protagonista da goleada das águias sobre o Famalicão, apontando um hat-trick. O primeiro foi marcado bem cedo, aos 6’, depois de Rafa fazer o passe para o uruguaio e este rematar cruzado, batendo Luiz Júnior. Oito minutos depois a história voltou a repetir-se, com Rafa a picar a bola sobre o guardião famalicense e com Darwin a encostar para o segundo.

O Famalicão reduziu aos 25’, depois do brasileiro Bruno Rodrigues responder da melhor maneira a um cruzamento de Ivo Rodrigues.

Na segunda parte a equipa de Jorge Jesus marcou mais dois golos: o primeiro logo aos 46’, com o “endiabrado” Darwin a amortecer de cabeça para Taarabt, que permitiu que Rafa atirasse para o 3-1. O segundo chegou 10 minutos depois, com o marroquino Taarabt a desmarcar Darwin, que assinou o hat-trick e estabeleceu o 4-1 final.

Na Madeira a equipa de Vasco Seabra deu a volta ao resultado e acabou por golear o Santa Clara. Os açorianos chegaram à vantagem logo aos 25 segundos, no primeiro lance da partida, num autogolo de Léo Andrade.

O Marítimo operou a reviravolta ainda durante a primeira parte: Joel Tagueu cobrou com sucesso uma grande penalidade aos 18’ e Henrique, aos 38’, fez o 2-1. Matheus Costa, aos 60’, e Rafik Guitane, nove minutos depois e da marca dos onze metros, marcaram os outros dois golos do triunfo dos verde-rubros.

Foi preciso esperar até ao quinto e último minuto do tempo de compensação para se gritar golo em Paços de Ferreira – no entanto, foi a equipa visitante quem levou a melhor deste duelo. Os gilistas chegaram ao golo da vitória por Leautey, conseguindo assim o quinto jogo consecutivo sem derrotas.  Já a equipa pacense está a passar por um período de crise, somando já 10 jornadas sem vencer e quatro derrotas consecutivas.

Em Guimarães, a equipa de Pepa conseguiu uma vitória folgada frente ao 12.º classificado (com um jogo em atraso), o Tondela. Contudo, os vimaranenses ainda viram o caso mal parado, já que os beirões marcaram aos 18’, numa grande penalidade convertida por João Pedro, e aos 27’, num cabeceamento letal de Undabarrena. De facto, este foi um jogo onde os pontapés de pénalti abundaram, já que para além daquela que resultou no primeiro golo do Tondela, ainda existiram mais três: Tiago Silva, aos 32’, Óscar Estupiñán, aos 41’, e Marcus Edwards, aos 62’, foram chamados a “mostrar serviço” e não vacilaram. O médio inglês viria a bisar aos 81’ e aos 88’ Rúben Lameiras fechou a contagem no D. Afonso Henriques.

O Estoril bateu o Belenenses SAD com um golo solitário de Rui Fonte, aos 43’, mantendo-se na quinta posição, com 24 pontos. Os Azuis, por sua vez, estão cada vez mais “enterrados” no fundo da tabela, somando apenas oito pontos, ainda que com um jogo em atraso.

Também o Portimonense venceu pela margem mínima o Moreirense: os algarvios chegaram ao quinto triunfo fora de portas graças a um tento de Aylton Boa Morte ao cair do pano (87’). Os cónegos, que estrearam o treinador Lito Vidigal, ocupam a 17.ª posição, com menos um jogo.

Em Arouca assistiu-se a uma verdadeira chuva de golos… que chegaram diretamente de Vizela! O primeiro, apontado por Samu aos 9’, foi considerado o golo da jornada: o médio recebeu o esférico de costas para a baliza disparando depois, de trivela, um verdadeiro míssil na direção da baliza adversária. Seguiu-se o autogolo de Abdoulaye aos 16’, e o bis de Schettine, aos 18’ e 38’. Bukia, aos 55’, ainda reduziu para os arouquenses.

Inês Barbosa/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER