Temas de Capa

“Existe um preconceito histórico”

Laura Harris

 

girls playing soccer

Prevê-se que o Campeonato do Mundo de Futebol Feminino de 2023 seja o mais assistido da história do torneio e registou um enorme aumento do interesse dos patrocinadores.

No entanto, os acordos de patrocínio e de marketing com muitas atletas femininas são, na melhor das hipóteses, performativos, uma vez que as equipas nacionais de futebol feminino continuam a lutar por um investimento equitativo por parte das suas federações.

O patrocínio é uma troca de valor, mutuamente benéfica, entre várias partes, envolvendo potencial comercial. Uma vez que muitas atletas profissionais têm vários empregos para ganhar o seu salário, algumas são obrigadas a aceitar acordos injustos.

Apesar de o desporto feminino receber tradicionalmente apenas um a dois por cento dos dólares do patrocínio desportivo global, o investimento tem vindo a aumentar exponencialmente à medida que a cobertura dos meios de comunicação social começa a satisfazer a procura dos consumidores.

No entanto, é evidente que os desequilíbrios de poder no patrocínio do desporto feminino refletem uma realidade de exploração diferente. A situação do marketing e do patrocínio no desporto feminino está longe de ser equitativa – embora possa ser retratada de outra forma na cobertura mediática. A realidade é que os atletas masculinos recebem uma compensação financeira substancial e específica da marca pelos seus acordos de patrocínio. Em contrapartida, as mulheres sentem que é esperado que elas agradeçam o pouco que lhes tem sido dado.

Embora se tenham verificado mudanças positivas, especialmente em torno do Campeonato do Mundo de Futebol Feminino deste ano, ainda há muito trabalho a fazer pelas organizações de futebol feminino e pelos patrocinadores empresariais para criar um futuro desportivo mais equitativo. Laura Harris, Gestão do Desporto, MA, é assistente de investigação e instrutora na Universidade de Brock. A sua investigação centra-se na equidade de género no desporto, com destaque para o retrato de marketing e o patrocínio de mulheres atletas profissionais. Foi com ela que conversámos sobre esta temática que tem entrado na nossa mente através de tudo o que ouvimos e lemos e nos intriga, ou será melhor dizer inquieta, nesta fase em que se disputa o Campeonato do Mundo de Futebol Feminino.

Milénio Stadium: Quando se realiza um evento como o Campeonato do Mundo de futebol masculino, é comum as ruas e as cidades encherem-se de bandeiras dos adeptos de todos os países participantes. Agora está a decorrer o Campeonato do Mundo de Futebol Feminino e não vemos absolutamente nada disso. O que é que acha que isto significa?

Laura HarrisLaura Harris: Eu diria que a maioria dos países do mundo ainda vê o futebol feminino como “segundo escalão” em relação ao masculino. Infelizmente, mesmo nos países onde a seleção feminina tem mais hipóteses de sucesso na cena internacional do que a equipa masculina, continuamos a assistir a esta disparidade. Além disso, o círculo vicioso da baixa acessibilidade para assistir aos jogos, que leva a um menor investimento no desporto feminino, pode significar que as pessoas estão menos conscientes de que o Campeonato do Mundo de Futebol Feminino está a decorrer. No entanto, os bares e pubs que oferecem festas para assistir ao Campeonato do Mundo de Futebol Feminino estão a ter um bom negócio e existe definitivamente um mercado para os adeptos desfrutarem do mesmo nível de celebração que o Campeonato do Mundo masculino. 

MS: Apesar de estarmos a celebrar o aumento substancial da assistência aos jogos (nos estádios e na televisão), a verdade é que existe uma enorme disparidade entre as versões masculina e feminina do mesmo evento. Será que o facto de, historicamente, este desporto ter sido essencialmente masculino e continuar a ser gerido maioritariamente por homens (FIFA, Federações, Clubes…) ainda pesa? 

LH: Penso que não podemos ignorar a diferença histórica de investimento e de disponibilidade do desporto feminino em relação ao masculino. O futebol masculino existe e tem tido espaço para desenvolver o seu desporto em campo e o seu público fora dele há muito mais tempo do que o futebol feminino, pelo que uma comparação direta neste momento é um pouco injusta. Tal como acontece com federações como a Canada Soccer, que não investiu na sua equipa feminina apesar de ter ganho o ouro olímpico dois anos antes, sem acesso adequado a tempo de treino, etc., a CanWNT não pode ter o mesmo nível de desempenho. Se as federações e os patrocinadores continuarem a investir nos seus programas femininos, o talento e os adeptos continuarão a desenvolver-se.

MS: Para além de tudo o resto, existe uma enorme disparidade entre os salários e os prémios de jogo de homens e mulheres. A própria FIFA atribuiu 4 vezes menos dinheiro às seleções femininas por participarem num Campeonato do Mundo, em comparação com o que atribuiu, por exemplo, às equipas presentes no Campeonato do Mundo do Qatar. O que é que justifica este facto?

LH: Da mesma forma, creio que existe aqui um preconceito histórico. Embora exista uma crença de longa data de que as mulheres não são tão boas no desporto, o que teve impacto em algumas diferenças salariais injustas, o sexismo sistémico do futebol não permitiu que o futebol feminino tivesse as mesmas oportunidades de crescer no palco global que o futebol masculino. Uma vez que o futebol feminino não tem estado tão facilmente disponível na televisão, tem havido menos adeptos e menos investimento de patrocinadores, o que leva a uma menor quantidade de prémios monetários disponíveis. À medida que o futebol feminino se torna mais acessível aos adeptos e cresce em popularidade, o dinheiro também deve crescer. Nos últimos anos, temos assistido a aumentos significativos, seguindo esse padrão, e parece estar no bom caminho para crescer exponencialmente.

MS: Será que podemos ver nesta disparidade, e na forma como todos olhamos para uma realidade e para outra, um sinal claro do longo caminho a percorrer em direção à paridade e à igualdade de oportunidades nesta e noutras profissões?

LH: Sim, o desporto é um microcosmo da sociedade, pelo que vemos as crenças da população em geral sobre o valor das mulheres refletirem-se na forma como o desporto feminino é governado e promovido. Embora haja definitivamente um longo caminho a percorrer para alcançar a verdadeira equidade, estamos a ver as opiniões começarem a mudar à medida que o desporto feminino cresce.

MS: O que é que as mulheres podem fazer para ajudar a mudar esta situação?

LH: Não creio que este seja um problema que só as mulheres possam resolver. As federações devem começar a investir de forma equitativa nas suas equipas nacionais masculinas e femininas e nos programas de base. Isto inclui não só dinheiro, mas também oportunidades de formação, amistosos internacionais e equipamento/recursos que preparem a equipa feminina para o sucesso. Além disso, é necessária mais investigação sobre as mulheres atletas, como a atual crise do LCA nos demonstrou. Simplesmente não temos a mesma compreensão do corpo feminino que temos do masculino, e isso está a prejudicar as nossas atletas de topo. 

Os patrocinadores também devem investir nas jogadoras de futebol. A investigação demonstrou que as mulheres atletas abraçam aqueles que as patrocinam e que os adeptos do desporto feminino também gostam de as apoiar financeiramente. Com todas estas oportunidades de investimento e desenvolvimento, todo o desporto crescerá exponencialmente.

MS: Qual é a sua opinião sobre o nível de qualidade técnica do desempenho das várias seleções nacionais no Campeonato do Mundo de Futebol Feminino até ao momento?

LH: A qualidade técnica tanto melhorou significativamente como desiludiu, dependendo da federação. É evidente que a paridade global é muito maior do que nunca, o que demonstra que o investimento crescente em todo o mundo tem tido um impacto positivo na capacidade de jogar em campo. No entanto, em federações como a do Canadá, que registaram uma queda no investimento, o jogo tem sido inferior ao que vimos alcançar no passado. Sem os recursos adequados, é injusto esperar que as mulheres prosperem, mas vimos através de outras federações que o investimento produz, de facto, resultados.

Madalena Balça/MS

 

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER