Editorial

Canta, canta, canta

Inteligência Artificial

 

vintage-microphone-on-stage-2021-08-26-22-29-57-utc

 

Por vezes, toda a gente canta, mas porquê cantar quando isso nos faz chorar? A música pode ser o catalisador para unir o mundo novamente? As notas doces que fazem a música estabelecem tantos padrões nas personalidades de cada um que definem literalmente quem somos, as nossas preferências de moda e muitas vezes a nossa aparência corporal. As nossas inclinações para certos tipos de música baseiam-se num conjunto de escolhas que podem ter sido desenvolvidas ao longo de muitos anos, mas que podem mudar com base na maturação dos nossos cérebros, à medida que percorremos diferentes géneros de música.

A maioria não pode ser culpada pelo número confuso de categorias que somam, aproximadamente, 41 géneros primários comummente reconhecidos, mais 1200 subgéneros e estes géneros e subgéneros não são categorias fixas e estão em constante evolução, ao longo do tempo.

A música não é apenas um som doce, mas cria um poder económico que pode influenciar não só os objetivos pessoais, mas também a economia mundial. Os biliões de dólares associados ao negócio da música, todos os anos, poderiam alimentar a economia de muitos países. A indústria musical é um panorama em constante evolução partilhado pelos avanços tecnológicos, as preferências dos consumidores e os influenciadores do momento. Os artistas são colocados em pedestais por audiências demográficas que escondem a sua verdade ao encarnarem humanos ilusórios adaptados como reais. Alguns dos atuais influenciadores, que incluem Taylor Swift como uma figura definidora de religiosidade musical, estão a revolucionar o negócio da música com um marketing incrível, letras que atingem o cerne do realismo nas relações e mensagens que sugerem que as regras dos dez mandamentos não devem ser aplicadas nas nossas vidas. Swift desempenha um papel na utilização de métodos terapêuticos psicológicos onde as questões de saúde mental podem ser filtradas para proporcionar um alívio temporário a mentes fracas e com muito pouco mais para apoiar a fraqueza dos seus espíritos.

  • O negócio da música mudou devido à tecnologia digital, enriquecendo alguns e empobrecendo a maioria dos artistas. O sucesso financeiro baseia-se agora no streaming, no Spotify, Apple Music ou YouTube ou em espetáculos ao vivo controlados por conglomerados mundiais como a Live Nation e Ticket Master. 99% dos artistas definham à procura das migalhas deixadas para trás pelo 1% de músicos super-ricos e dos seus patrões, na esperança de um dia também eles poderem alcançar o estrelato e colocar a sua marca pessoal num conglomerado como o de Taylor Swift. Os influenciadores adquiriram a capacidade de moldar as tendências e as preferências dos consumidores. Os fãs esperam uma experiência musical mais imersiva e e pessoal e exigem uma ligação mais próxima com os seus artistas favoritos. Os apoios dos influenciadores ajudam a persuadir a opinião pública e podem impulsionar o sucesso de um determinado artista ou canção, mas quem é que pode pagar um? O valor da música é transacional, dependendo do género e do que o público quer. Todos os anos são gerados milhares de milhões de dólares, o que é bom para um segmento da economia. No entanto, o ponto fraco do negócio é a exploração de um público que não tem dinheiro para comprar um bilhete, mas que o faz, criando mais sofrimento económico para muitos. Os custos exorbitantes pedidos por Swift por um bilhete anulam todas as coisas boas que ela está a tentar realizar para esta indústria. E esse é o negócio da música.

De qualquer forma, canta, canta uma canção.


Canta, canta, canta

Everyone sings sometimes but why sing when it makes you cry? Can music be the catalyst that could bring the world together again? The sweet notes that is music sets so many standards on individual personalities that they literally define who we are, our fashion preferences and often our bodily appearance. Our inclinations for certain types of music are based on a set of choices which may have been developed over many years but may change based on the maturation of our brains as we peruse through different genres of music. Most could not be faulted for the confusing number of categories which add up to approximately 41 primary genres commonly recognized plus 1200 sub-genres, and these genres and sub-genres are not fixed categories and are constantly evolving over time.

Music is not only sweet sounds but creates economic power that can influence not only personal objectives but also world economics. The billions of dollars associated with the business of music yearly could power the economies of many countries. The music industry is an ever-evolving panorama shared by technological advancements, consumer preferences, and flavour of the day influencers. Artists are placed on pedestals by demographicated audiences that hide their truth by embodying illusionary humans adapted as real. Some of the current influencers which include Taylor Swift as a defining figure of musical religiosity, are revolutionizing the music business with incredible marketing, lyrics that hit at the core of realism in relationships and messaging suggesting that the rules of the ten commandments should not apply in our lives. Swift plays a role employing psychologic therapeutic methods where mental health issues can be filtered to provide temporary relief to weak minds and with very little more to support the weakness of their spirits.

  • The business of music has changed because of digital technology, enriching a few and impoverishing most artists. Financial success is now based on streaming on Spotify, Apple Music or YouTube or by live concert performances controlled by worldwide conglomerates such as Live Nation and Ticket Master. 99% of artists languish looking for the crumbs left behind by the 1% of super rich musicians and their masters hoping that one day they too can reach stardom and put their personal branding on a conglomerate such as Taylor Swift’s. Influencers have acquired the ability of shaping trends and consumer preferences. Fans expect a more immersive and personal music experience and demand a closer connection with their favourite artists. Influencers endorsements sway public opinion and can drive the success of a particular artist or song but who can afford one? The value of music is transactional depending on the genre and what audiences want. Billions of dollars are generated each year and that’s good for a segment of the economy. However, the underbelly of the business is exploitation of a public who cannot afford to buy a ticket but still does, creating further economic pain to many. The exorbitant costs being asked by Swift for a ticket negates all the good things she is trying to accomplish for this industry. And that’s the business of music.

Anyway, sing, sing a song.

Manuel DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER