Editorial

A tristeza da nossa juventude

mental-health-disorders-file-2021-08-26-16-59-51-utc

Quando as folhas de outono passam do verde para o vermelho, a maioria aprecia o fenómeno como uma mudança de estação e, de um modo geral, uma ocasião feliz para absorver a beleza proporcionada pelo nosso planeta.

No cérebro de uma pessoa, a mudança do verde para o vermelho pode significar um ataque aos nossos sentidos, criando desafios à nossa visão do mundo. Os obstáculos enfrentados são muitas vezes referidos como problemas de saúde mental devido ao desvendar do mundo à nossa volta e no nosso cérebro. Assim, a beleza da vida deixa de existir e torna-se um desafio diário.

A adolescência é uma etapa decisiva no desenvolvimento humano e uma fase imperativa para que as nossas personalidades se desenvolvam e nos tornem a pessoa que desejamos que o mundo veja. Infelizmente, esta fase fulcral da vida é frequentemente caracterizada pela suscetibilidade ao desenvolvimento de problemas de saúde mental. Mais do que nunca, vemos jovens a enfrentar desafios devido a fatores biológicos, psicológicos e ambientais numa vida marcada por tensões contínuas. Ao cuidar dos nossos jovens, os adultos muitas vezes não veem ou ignoram os sinais sintomáticos dos nossos filhos e filhas adolescentes, o que resulta em visitas a serviços de urgência e internamentos hospitalares por ideação suicida, autointoxicação e automutilação. Esta situação aumentou substancialmente durante a pandemia de Covid-19, mas continua a persistir e está a ter efeitos profundos no bem-estar dos adolescentes.

Num estudo do Instituto Canadiano de Informação sobre a Saúde sobre visitas de emergência e admissões hospitalares de abril de 2015 a março de 2022, em adolescentes com idades entre os 10 e os 18 anos no Canadá, as visitas por ideação suicida, autoenvenenamento e automutilação aumentaram de 2,3% antes da pandemia para 3,52% durante a pandemia.

Os problemas estão a afetar mais as mulheres do que os homens. Entre os adolescentes com idades compreendidas entre os 10 e os 18 anos, registaram-se 5,283 consultas nos serviços de urgência por trimestre. Durante a pandemia, o número aumentou para 6 060 consultas por trimestre. Em comparação com todas as consultas, os números diminuíram para 172 180 durante a pandemia, contra 230 080 antes da pandemia, o que sugere que os adolescentes foram a principal causa das visitas.

Muitos culparão as redes sociais, mas deve haver um problema mais profundo que afeta a saúde mental da nossa juventude. Porquê um tal desequilíbrio entre as cinco dimensões geralmente adotadas para alcançar uma qualidade de vida equitativa, que incluem a saúde, mental, física, social e espiritual, que equilibram o ser humano e porque é que as mulheres referem mais problemas de saúde mental do que os homens (21% contra 13%)? Um relatório recente sugere que mais de um terço da Geração Z (11 a 26 anos) passa mais de duas horas por dia ou mais em sítios de redes sociais. Isto afeta as suas interações sociais e é utilizado como uma forma de diminuir a solidão, o que acaba por ser uma solução temporária. A imersão nas redes sociais continua a aumentar como meio de interação com a sociedade e inclui o medo de ficar de fora, a imagem corporal, a autoconfiança e a autoestima, conetividade social, apoio emocional/construção de comunidade e autoexpressão.

Pergunto-me: não seria muito melhor se estes aspetos das suas vidas fossem obtidos através da educação dos pais e não das redes sociais?

Em todo o mundo, as comunidades não estão a lutar para proporcionar aos jovens alguém a quem telefonar, alguém para responder ou um local seguro para obter ajuda durante uma crise de saúde mental, de abuso de substâncias ou suicídio. Com quem podem os jovens contar em situações de emergência? O mundo parece ter falta ou atraso na maior parte das coisas coisas e a geração Z está a ser deixada para trás. Eles são o futuro intelectual e económico da sociedade e o desequilíbrio mental que os estudos demonstram resultará num mundo de excêntricos que agravará ainda mais o futuro da sociedade para as gerações vindouras. É altura de investir agora para salvar os nossos adolescentes.


The sadness of our youth

As the Autumn leaves turn red from green, most appreciate the phenomenon as a change of seasons and generally a happy occasion to absorb the beauty afforded by our planet.

In a person’s brain the change of green to red may signify an attack to our senses creating challenges of our view of the world. The faced obstacles are often referred to as mental health issues due to the unravelling of the world around us and in our brain. Thus, the beauty of life is no more and becomes a daily challenge.
Adolescence is a decisive stage in human development and an imperative phase for our personalities to develop to be the person we aspire the world to see. Unfortunately, this pivotal stage of life is often characterized by the susceptibility to development of mental health issues.

More than ever, we see youngsters facing challenges due to biological, psychological and environmental factors in a life punctured by continued stresses. In providing for our youth, adults often miss or ignore the symptomatic signals shown by our adolescent sons and daughters, resulting in emergency department visits and hospital admissions for suicidal ideation, self-poisoning and self-harm. This situation increased substantially during the Covid-19 pandemic but remains persistent and it’s having profound effects on the well-being of adolescents. In a study by the Canadian Institute for Health Information on emergency visits and hospital admissions from April 2015 to March 2022, adolescents aged 10 to 18 years old in Canada, visits for suicidal ideation, self-poisoning and self-harm rose from 2.3% pre-pandemic to 3.52% during the pandemic. The problems are afflicting females more than male counterparts. Among adolescents aged 10-18 years there were 5,283 emergency department visits per quarter. During the pandemic it increased to 6,060 visits per quarter. In comparison to all visits the numbers decreased to 172,180 during the pandemic from 230,080 pre-pandemic suggesting that adolescents were a primary cause of the visits.

Many will blame social media but there must be a more profound problem impacting mental health on our youth. Why such an imbalance of the five dimensions which are generally adopted to achieve an equitable quality of life which include health, mental, physical, social and spiritual which balance human beings and why is it that females report mental health issues more than males (21% versus 13%). A recent report suggests that over one-third of Gen Z (11 to 26 years) spend more than two hours each day or more on social media sites.

This affects their social interactions and it’s used as a way to decrease loneliness which ends up being a temporary fix. Immersion in social media continues to increase as a means of interaction with society and includes fear of missing out, body image, self-confidence and self-esteem, social connectivity, emotional support/community building and self-expression. Wonder how much better it would be if these aspects of their lives would be obtained from parenting rather than social media.

Around the world, communities are struggling to provide young people with someone to call, someone to respond or a safe place to get help during mental health, substance abuse or suicidal crisis. Who can young people depend on in emergency situations?

The world appears to be short or delayed on most things and the Gen Z generation are being left behind. They are the intellectual and economic future of society and the mental imbalance that studies show will result in a world of eccentric oddballs which will further aggravate the future of society for generations to come. It’s time that investments are made now to save our adolescents.

Manuel DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER