BlogMundo

Presidente ucraniano diz que a Rússia está a atacar áreas civis

O Presidente ucraniano disse, esta sexta-feira, que "mais cedo ou mais tarde" a Rússia terá de "falar" com a Ucrânia para pôr fim aos combates e denunciou que Moscovo está também a visar áreas civis. Num discurso televisivo dirigido à nação, Volodymyr Zelensky elogiou ainda o "heroísmo" ucraniano face ao avanço russo. "A Rússia terá de falar connosco, mais cedo ou mais tarde. <a href=Para falar sobre como parar os combates e travar a invasão. Quanto mais cedo esta conversa começar, menores serão as perdas para a própria Rússia", defendeu. O governante afirmou ainda que os defensores do país frustraram os planos operacionais da invasão russa no primeiro dia. "Os nossos rapazes e raparigas, todos os defensores da Ucrânia, não permitiram que o inimigo executasse o plano operacional da invasão no primeiro dia", disse o chefe de Estado, que salientou que na maioria das direções o avanço das tropas russas foi travado e os combates prosseguem. As forças russas "começaram a bombardear áreas civis. Isto faz-nos lembrar [a ofensiva nazi em] 1941", disse Zelensky, num vídeo publicado nas redes sociais, pronunciando a frase em russo. Moscovo lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar em território da Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocou pelo menos meia centena de mortos, 10 dos quais civis, em território ucraniano, segundo Kiev. O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo dos seus "resultados" e "relevância". O ataque foi de imediato condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), UE e Conselho de Segurança da ONU. Partilhe este artigo no Facebook PartilhasO Presidente ucraniano disse, esta sexta-feira, que "mais cedo ou mais tarde" a Rússia terá de "falar" com a Ucrânia para pôr fim aos combates e denunciou que Moscovo está também a visar áreas civis. Num discurso televisivo dirigido à nação, Volodymyr Zelensky elogiou ainda o "heroísmo" ucraniano face ao avanço russo. "A Rússia terá de falar connosco, mais cedo ou mais tarde. Para falar sobre como parar os combates e travar a invasão. Quanto mais cedo esta conversa começar, menores serão as perdas para a própria Rússia", defendeu. O governante afirmou ainda que os defensores do país frustraram os planos operacionais da invasão russa no primeiro dia. "Os nossos rapazes e raparigas, todos os defensores da Ucrânia, não permitiram que o inimigo executasse o plano operacional da invasão no primeiro dia", disse o chefe de Estado, que salientou que na maioria das direções o avanço das tropas russas foi travado e os combates prosseguem. As forças russas "começaram a bombardear áreas civis. Isto faz-nos lembrar [a ofensiva nazi em] 1941", disse Zelensky, num vídeo publicado nas redes sociais, pronunciando a frase em russo. Moscovo lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar em território da Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocou pelo menos meia centena de mortos, 10 dos quais civis, em território ucraniano, segundo Kiev. O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo dos seus "resultados" e "relevância". O ataque foi de imediato condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), UE e Conselho de Segurança da ONU. Partilhe este artigo no Facebook Partilhas” width=”744″ height=”495″ />

 

O Presidente ucraniano disse, esta sexta-feira, que “mais cedo ou mais tarde” a Rússia terá de “falar” com a Ucrânia para pôr fim aos combates e denunciou que Moscovo está também a visar áreas civis.

Num discurso televisivo dirigido à nação, Volodymyr Zelensky elogiou ainda o “heroísmo” ucraniano face ao avanço russo.

“A Rússia terá de falar connosco, mais cedo ou mais tarde. Para falar sobre como parar os combates e travar a invasão. Quanto mais cedo esta conversa começar, menores serão as perdas para a própria Rússia”, defendeu.

O governante afirmou ainda que os defensores do país frustraram os planos operacionais da invasão russa no primeiro dia.

“Os nossos rapazes e raparigas, todos os defensores da Ucrânia, não permitiram que o inimigo executasse o plano operacional da invasão no primeiro dia”, disse o chefe de Estado, que salientou que na maioria das direções o avanço das tropas russas foi travado e os combates prosseguem.

As forças russas “começaram a bombardear áreas civis. Isto faz-nos lembrar [a ofensiva nazi em] 1941”, disse Zelensky, num vídeo publicado nas redes sociais, pronunciando a frase em russo.

Moscovo lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar em território da Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocou pelo menos meia centena de mortos, 10 dos quais civis, em território ucraniano, segundo Kiev.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa “desmilitarizar e desnazificar” o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo dos seus “resultados” e “relevância”.

O ataque foi de imediato condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), UE e Conselho de Segurança da ONU.

JN/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER