Temas de CapaBlog

Cristina Martins: “Como mulheres, temos a obrigação de nos ajudar umas às outras e de nos elevar”

Como mulheres, temos a obrigação-ontario-mileniostadium
Cristina Martins. Crédito: Revista Amar.

 

Cristina Martins, com a sua carreira profissional e política que tem ao longo do tempo desenvolvido, é um bom exemplo de uma mulher que se tem sabido afirmar na sociedade. Precisamente por ter estado num cargo de destaque no parlamento provincial e também pela sua proximidade à realidade social no Canadá e, em particular, em Ontário, Cristina Martins ajuda-nos a perceber nesta entrevista que concedeu ao Milénio Stadium, qual é o ponto da situação no que à igualdade de género diz respeito – o caminho já feito e o muito que há ainda por percorrer. 

Milénio Stadium: Um estudo recente elaborado pelos jornalistas do The Globe and Mail mostra, de uma forma muito clara, que no Canadá há ainda diferenças muito significativas entre homens e mulheres. Tanto ao nível do posicionamento hierárquico, quanto ao nível salarial. Como mulher – que desenvolveu atividade política relevante durante tantos anos e também tem a sua carreira profissional fora da política – que análise faz da permanência deste facto na sociedade canadiana?

Cristina Martins: Temos a sorte de viver uma sociedade e num país onde meninas e mulheres de todas as cores, religiões e convicções políticas têm permissão e são incentivadas a ir à escola, ir em busca de uma educação superior e ocupar cargos de poder na sociedade. No entanto, ainda existem barreiras no local de trabalho, e na sociedade, que proíbem ou dificultam que as mulheres recebam o mesmo salário que os homens nos mesmos cargos e dificultam que elas tenham as mesmas oportunidades que os homens com o mesmo nível de educação ou experiência. Por que razão isso acontece, não apenas aqui no Canadá, mas em todo o mundo? Um dos fatores que contribui, na minha opinião, e talvez um dos principais fatores, é que é a mulher que fica em casa em licença maternidade e muitas vezes é também ela a cuidadora principal. Isso faz com que a mulher pare a sua carreira e, consequentemente, o seu progresso profissional. Essas interrupções e faltas ao trabalho resultam em menos oportunidades de promoções e aumentos salariais.

Outro fator é a falta de diversidade nas funções de liderança. Embora tenha havido progresso, especialmente nas grandes corporações e no Governo, há ainda mais trabalho a ser feito nesta área. Precisamos continuar a ter mais mulheres em posições de liderança para ajudar a quebrar os estereótipos sobre quem e o que é ser um bom líder. Além disso, quando mulheres mais diversificadas estão envolvidas nos processos de tomada de decisão, elas estão numa melhor posição para trazer uma mais forte perceção do género feminino para o processo e trazer as “questões das mulheres” para cima da mesa e para primeiro plano. Mais mulheres líderes também permitem que meninas mais novas tenham um modelo a seguir nas quais se inspirem.

MS: O que é que tem sido feito em termos práticos para promover uma maior igualdade de género no país? 

CM: Os direitos das mulheres estão bem estabelecidos na Canadian Charter of Rights and Freedoms e na Canadian Humans Rights Act. A Canadian Humans Rights Act afirma que todos os canadianos devem ter direitos e oportunidades iguais. No entanto, a nível do Governo federal existe um Ministério para a Mulher e a Igualdade de Género, o que significa que ainda há mais trabalho a fazer para promover a igualdade em todo o país e que o nosso trabalho como país e como sociedade não acabou.

O Governo federal priorizou o progresso da igualdade de género e, como tal, nomeou o primeiro gabinete federal tendo em conta o equilíbrio de género em 2015. Também investiu bastante em mulheres e meninas em áreas como desenvolvimento económico, violência contra as mulheres e projetos que promovem a liderança das mulheres. Isso, por sua vez, melhora a segurança económica e a prosperidade das mulheres.

Em 2017, a nível provincial, sob a liderança da primeira Premier feminina na história de Ontário, um ministério autónomo – o Ministério do Status da Mulher – foi criado para lidar com a desigualdade na nossa província. Sob o atual Governo provincial, esse ministério deixou de existir e este tema da mulher passou a ser incluído no Ministério da Criança, Comunidade e Serviços Sociais. Isso significa que entre 2017 e 2018 “resolvemos” as questões das mulheres a nível provincial? Não, significa apenas que, mais uma vez, não estamos a trabalhar para garantir a promoção e garantia da igualdade de género. Infelizmente, o atual Governo provincial desviou o foco das questões das mulheres e empurrou-as para o fim da linha. Como podemos esperar progredir como mulheres quando o nosso Governo tira o foco da promoção da igualdade?

MS: Há quem defenda que, em muitas circunstâncias, são as próprias mulheres que levantam barreiras à consolidação de uma cada vez maior igualdade de género. O que pensa a este respeito?

CM: Concordo que há momentos em que essa afirmação é verdadeira. Acho que as mulheres tendem a minimizar as suas contribuições e, portanto, não ajudam a promover a sua causa no que diz respeito à igualdade de género no trabalho e/ou na sociedade.

Eu também acho que às vezes as mulheres, por qualquer motivo, travam o progresso de outras mulheres e isso é errado. Como a ex-secretária de Estado dos Estados Unidos, Madeleine Allbright, disse uma vez: “Há um lugar especial no inferno para as mulheres que não se ajudam”. Acho que, como mulheres, temos a obrigação de nos ajudar umas às outras e de nos elevar. Só assim continuaremos a promover a igualdade de género e a eliminar todos os tipos de lacunas que existem atualmente. E também temos que começar a acreditar que, enquanto mulheres, também podemos alcançar o que quisermos e sermos o que quisermos.

MS: Neste quadro de pandemia que tem afetado muito o mundo laboral, na sua perspetiva, como é que as mulheres têm sido (ou não) mais prejudicadas?

CM: As mulheres atualmente ocupam profissões que as colocam na linha de frente dos cuidados de saúde (trabalhadores de apoio pessoal, cuidadores, enfermeiras) e empregos que são considerados serviços essenciais (retalho, serviços de alimentação e hospitalidade, limpeza, serviços educacionais) durante a pandemia provocada pela COVID-19. Ter mais mulheres nesses serviços essenciais da linha de frente resultou em mais mulheres do que homens com diagnóstico de COVID-19 e, como consequência, mais mulheres a morrer devido à COVID-19.

As mulheres também constituem a maioria dos trabalhadores com salário mínimo e trabalhadores de a meio tempo no Canadá. Com o encerramento de muitas indústrias devido à COVID-19, não é surpresa que as barreiras económicas que as mulheres enfrentam estejam a piorar. Além disso, com mais mulheres a serem diagnosticadas com COVID-19 e tendo que ficar em casa, não é de admirar, e como disse na minha primeira resposta, que essas interrupções e ausências do trabalho resultem em menos oportunidades de promoções e aumentos salariais.

Catarina Balça/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER