Editorial

Ilusões inteligentes

Inteligência Artificial

 

Artificial Intelligence

Duas das palavras mais utilizadas no mundo atual são Inteligência Artificial (IA). A maioria está a tentar desvendar o significado das palavras e a forma como afetam as nossas vidas agora e no futuro, enquanto outros lançam avisos sinistros sobre os seus perigos, combinados com a mensagem apocalíptica de que pode destruir o mundo. 

A Inteligência Artificial surgiu como uma força transformadora, moldando a forma como vivemos e interagimos com a tecnologia. Embora a IA tenha um potencial incrível para o progresso e a inovação, temos de estar conscientes dos potenciais perigos associados à sua distribuição e à sua evolução. A maior parte das empresas que conhecemos, como a Google, o Facebook e outras, estão todas envolvidas na recolha de dados que alimentam a IA. Todos os seus pensamentos, desejos e vontades são armazenados em cada publicação ou clique no seu smartphone ou computador, fornecendo o sustento de máquinas insaciáveis que transformam o nosso mundo diariamente. Todos os anos são gerados mais dados do que toda a informação produzida desde que os computadores foram inventados, uma vez que o fator multiplicador de informação e dados é recolhido pelas várias plataformas. 

Para atenuar o perigo de uma má utilização da IA, os utilizadores têm de avaliar os riscos e os desafios que se colocam. Quem será responsável pelos aspetos importantes das considerações éticas, da transparência e da governação responsável? 

A IA ainda está a dar os primeiros passos, se tivermos em conta a rapidez com que são introduzidas alterações nos sistemas. Embora os aspetos positivos da IA sejam numerosos, o seu lado negro tem muitas implicações e muitos especularam que poderia destruir as nossas vidas tal como as conhecemos. Já existem exemplos de utilização indevida e da potencial perda de controlo humano sobre estes sistemas inteligentes, o que é uma preocupação constante. Quem está a supervisionar e a controlar os indivíduos e as empresas que decidem o que é melhor ou pior para nós? A IA evoluiu para um mundo autónomo controlado por poucas empresas. A sua autonomia significa que a eliminação da governação ética por parte daqueles que elegemos não tem qualquer poder sobre as consequências indesejadas e os dilemas éticos que podem corroer a emoção humana e minar os valores sociais.

As plataformas de redes sociais estão por todo o lado e existem 4,9 mil milhões de utilizadores em todo o mundo. Cerca de 92% das empresas canadianas e americanas utilizam as redes sociais para marketing. Há 13 novos utilizadores que se inscrevem na sua primeira conta de rede social a cada segundo e a publicação contínua de conteúdos por todos, porque ninguém quer ser esquecido, gera a absorção de toda a informação pelas plataformas de recolha de dados e são criados algoritmos que o conhecerão melhor do que você próprio.

Os esquemas de IA estão a proliferar nas nossas vidas, desde as chamadas telefónicas contínuas, à geração de voz, muitas vezes indetetável, e à inteligência artificial, que gerou indústrias multimilionárias para os vigaristas e outros manipuladores que se aproveitam dos incultos e da indústria da ganância. Chegámos a um ponto crítico em que muitos não conseguem reconhecer se as vozes de pessoas que conhecemos são geradas por indivíduos ou por IA.

Uma questão importante terá de ser colocada em cima da mesa para consideração. Quem é que vai proteger a nossa privacidade e segurança na Internet? A resposta é que ninguém o fará, porque a nossa informação rende biliões de dólares aos proprietários das plataformas de IA. Estão a ser criadas indústrias totalmente novas para perturbar o nosso mundo e nós estamos a ajudá-las a fazê-lo por sermos ingénuos quanto aos seus objetivos.

É essencial que os decisores políticos, os investigadores e os criadores trabalhem em conjunto e alcancem um equilíbrio que proteja os nossos direitos e utilizem a IA para melhorar o nosso mundo. 

Atualmente, a IA é tanto uma realidade como uma ilusão.


Intelligent Illusions

Two of the most used words in the world today are Artificial Intelligence (AI).  Most are trying to unravel what the words mean and how they affect our lives now and in the future while others are providing ominous warnings about its dangers combined with the apocalyptic messaging that it may destroy the world.  

Artificial Intelligence has emerged as a transformative force, shaping the way we live and interact with technology.  While AI holds incredible potential for progress and innovation, we have to be aware of the potential dangers associated with its distribution and its evolution.  Most companies that we are familiar with such as Google, Facebook and others are all involved in data collection which powers AI.  All your thoughts, wants and wishes are stored with every post or click to your smartphone or computer, providing the sustenance of insatiable machines that transform our world on a daily basis.  More data is generated each year than all the information produced since computers were invented as the multiplying factor of information and data is collected by the various platforms.  

To mitigate the danger of misuse of AI, users need to assess the risks and challenges posed.  Who will be responsible for the important aspects of ethical considerations, transparency and responsible governance?  AI is still in its infancy when we consider how quickly changes are made to systems.  While the positive aspects of AI are numerous, the dark side of it carries many implications and many have speculated that it could destroy our lives as we know it.  There are already examples of misuse and the potential loss of human control over these intelligent systems which is a constant concern.  

Who is overseeing and controlling the individuals and companies who decide what is best or worst for us.  AI has evolved into a self-governing world controlled by few companies.  Their autonomy means that the removal of ethical governance by those we elect has no power about unintended consequences and ethical dilemmas which may erode human emotion will undermine societal values.

Social media platforms are everywhere and there are 4.9 billion users around the world.  About 92 percent of Canadian and US companies use social media for marketing.  There are 13 new users signing up for their first social media account every second and the continuing posting of content by everyone, because no one wants to be forgettable, platforms for data collection absorb all information and algorithms are created which will know you better than you know yourself.

AI scams are proliferating our lives from continuous phone calls, to voice generation often undetectable and artificial intelligence which has generated multi-billion dollar industries for crooks and other manipulators who prey on the uneducated and the industry of greed.  We have come to a critical point where many can’t recognize if voices from people you know are generated from the individuals or AI.

An important question will have to be put on the table for consideration.  Who is going to protect our privacy and security on the internet?  The answer is that no one will because our information yields billions of dollars to the AI platform owners.  Brand new industries are being created to disrupt our world and we are helping them do it by being naïve about their purposes.

It is essential for policy makers, researchers, and developers to work together and achieve a balance which protects our rights and use AI to make our world better. 

At the present time it’s as much a reality as it is an illusion.

Manuel DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER