ÁfricaBlog

Cerca de 85% da população de África sem qualquer dose da vacina

milenio-stadium-mundo-africa
A boy receives a dose of the Pfizer/BioNTech vaccine against COVID-19 at Discovery vaccination site in Sandton, Johannesburg, on December 15, 2021. – Two shots of Pfizer’s Covid vaccine offers around 70 percent protection against severe disease from Omicron, according to results of a study published December 14, 2021 in South Africa.
The emergence of the highly mutated variant, first detected in South Africa last month, sparked fears that it could cause severe disease, be more contagious or could evade vaccines. (Photo by LUCA SOLA / AFP)

 

O líder da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou, esta segunda-feira, que cerca de 85% da população africana ainda não recebeu a primeira dose da vacina contra a covid-19, que todos devem levar para acabar com fase aguda da pandemia.

Tedros Adhanom Ghebreyesus recordou que 86 países não conseguiram atingir o objetivo de 40% de vacinação até 2021, e 34 deles, na sua maioria em África e no Médio Oriente, não atingiram sequer 10% da população.

“Não podemos terminar a fase aguda da pandemia se não colmatarmos esta lacuna”, salientou o chefe da OMS, no seu discurso de abertura da 150.ª sessão do Conselho Executivo da organização.

Embora admitindo que as vacinas “não são uma panaceia para acabar com a pandemia”, Tedros Ghebreyesus sublinhou que aquelas são importantes para reduzir a gravidade da crise pandémica, e que o objetivo de alcançar uma taxa de vacinação de pelo menos 70% em todos os países do mundo até final de 2022 deve ser mantido.

O diretor-geral da OMS abordou ainda outras questões no seu discurso principal, incluindo o financiamento da organização que dirige, e advertiu que este aspeto deve ser melhorado para que possa assegurar o seu papel coordenador nos sistemas de saúde mundiais.

“Se o atual modelo de financiamento continuar, estamos a caminhar para o fracasso”, afirmou o responsável, que salientou que “a mudança de paradigma que é necessária na saúde global deve ser acompanhada por uma mudança semelhante quando se trata de financiar a OMS”.

A covid-19 provocou pelo menos 5,58 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

JN//MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER