Portugal

Autarcas reforçam posição contra eólicas offshore no Porto

Autarcas reforçam posição -ambiente-milenio

Das cinco sugestões feitas pelos autarcas da Área Metropolitana do Porto (AMP) sobre a construção de um parque eólico offshore, só uma foi “parcialmente acolhida”. O autarca da Póvoa de Varzim, representante da AMP na comissão consultiva do parque, sugeriu aos autarcas uma posição conjunta e contra o projeto.

“Das cinco sugestões feitas por nós, eles acolhem parcialmente uma, que tem a ver com as dúvidas levantadas relativamente às infraestruturas em terra. As outras não acolhem”, revelou o presidente da Câmara da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, na reunião de Conselho Metropolitano do Porto, que decorreu esta manhã de sexta-feira. A construção do parque envolve os concelhos da Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Matosinhos e Gaia. Aires Pereira pediu uma posição conjunta para apresentar na próxima reunião da comissão consultiva do projeto, marcada para segunda-feira.

“Estamos a falar de um projeto que irá afetar o país, no mínimo, nos próximos 20 anos, e querem fazer tudo isto em cima do joelho”, critica o autarca, acrescentado que o parecer da comissão consultiva do projeto, recebido esta quinta-feira à noite, “parece muito, muito precipitado” para que seja possível “continuar a comer o tal peixe que se serve na nossa costa”. De acordo com Aires Pereira, a previsão é a de que o parque eólico offshore “irá afetar de forma grave a pesca artesanal”, uma vez que deixará os pescadores “uns em cima dos outros face àquilo que é o terreno disponível”.

Sendo o presidente da Câmara da Póvoa de Varzim o representante da AMP na comissão consultiva do projeto, Aires Pereira propôs aos autarcas da região que “acautelassem o futuro e votassem contra” em jeito de “defesa dos interesses das nossas associações e da nossa região”.

“Não podemos deixar de votar contra um assunto tão mal estudado, tão mal explicado e com tanta precipitação na montagem de um sistema de energia eólico offshore em mais de 10 gigawatts, que é uma coisa verdadeiramente inexplicável. Os espanhóis estão a fazer 3 gigawatts. Em Portugal, pensa-se sempre à grande”, critica o autarca. Aires Pereira reforça que esta é uma aposta em algo onde o país “não tem experiência que possa transmitir segurança relativamente aos impactos que terá”.

Estudos “que não existem”

Também Carlos Mouta, vice-presidente da Câmara de Matosinhos, e que substituiu o autarca da Póvoa de Varzim na última reunião sobre o projeto, tece algumas críticas relacionadas com o trabalho que tem sido feito, uma vez que não haverá estudos suficientes.

“Solicitámos a existência de um estudo de avaliação ambiental, que não existe. Pedimos um estudo de impacto económico e social, que não existe. Também um estudo sobre a amarração da terra, que será feito à posteriori com a redirecção nacional. E não existe um estudo sobre os riscos de acidentes”, enumera o autarca.

“Percebemos o interesse das energias renováveis e da associação destes espaços mas não temos, à data de segunda-feira, objetividade para a decisão. A única questão objetiva que foi retirada foi a zona a três quilómetros da costa”, acrescenta.Carlos Mouta recorda ainda que está previsto o lançamento do leilão para a instalação de projetos offshore no final deste ano, dando direitos adquiridos ao vencedor. “A partir daí, será muito mais difícil”, nota.

JN/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER