Mundo

EUA vai enviar quase 49 milhões de euros para Gaza e Cisjordânia

zwhcp0b1rz1y

 

O Governo dos Estados Unidos anunciou esta terça-feira o envio de 53 milhões de dólares (48,8 milhões de euros) em ajuda humanitária para a Faixa de Gaza e a Cisjordânia através da sua Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

A administradora da USAID, Samantha Power, indicou que grande parte do dinheiro se destinará a programas alimentares, através do Programa Alimentar Mundial (PAM) e de organizações internacionais não-governamentais.

“Mas essa ajuda tem de chegar às pessoas necessitadas. E, neste momento, é necessário resolver os obstáculos burocráticos e os atrasos nas inspeções [e] o número de pontos de acesso a Gaza tem de ser significativamente aumentado”, sublinhou.

Power afirmou também que os trabalhadores humanitários que estão na Faixa de Gaza têm de “ser protegidos” e poder fazer o seu trabalho “sem serem alvejados e mortos”.

Este pacote de 53 milhões de dólares (48,8 milhões de euros) eleva para 180 milhões de dólares (165,8 milhões de euros) a ajuda que os Estados Unidos da América (EUA) enviaram para os territórios palestinianos desde que Israel iniciou a sua ofensiva à Faixa de Gaza, em outubro do ano passado.

Desde que a guerra começou, a Casa Branca pediu ao Congresso a aprovação de um pacote de 14 mil milhões de dólares (12.900 milhões de euros) em ajuda militar para Israel, um projeto que está retido no poder legislativo, porque está ligado a outros 60 mil milhões de dólares (55.200 milhões de euros) de ajuda militar para a Ucrânia.

A 7 de outubro, combatentes do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) – desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel – realizaram em território israelita um ataque de proporções sem precedentes desde a criação do Estado de Israel, em 1948, fazendo 1163 mortos, na maioria civis, e cerca de 250 reféns, 130 dos quais permanecem em cativeiro, segundo o mais recente balanço das autoridades israelitas.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para “erradicar” o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre ao norte do território, que depois se estendeu ao sul.

A guerra entre Israel e o Hamas, que hoje entrou no 144.º dia e continua a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza cerca de 29.900 mortos, mais de 70 mil feridos e 8 mil desaparecidos, na maioria civis, de acordo com o último balanço das autoridades locais.

O conflito fez também quase dois milhões de deslocados (mais de 85% dos habitantes), mergulhando o enclave palestiniano sobrepovoado e pobre numa grave crise humanitária, com toda a população afetada por níveis graves de fome que já está a fazer vítimas, segundo a ONU.

Na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, territórios ocupados pelo Estado judaico, mais de 400 palestinianos foram mortos desde 7 de outubro pelas forças israelitas e em ataques perpetrados por colonos, além de se terem registado mais de 3 mil feridos e 5600 detenções.

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER