Mundo

Empresa ignorou alertas sobre perigos “catastróficos” do Titan

titan - milenio stadium

 

Engenheiro que trabalhou na OceanGate e outros especialistas externos à empresa alertaram que o submersível Titan, agora desaparecido com cinco passageiros a bordo, precisava de mais testes antes de realizar uma viagem às profundezas do Oceano Atlântico. Firma norte-americana não terá certificado embarcação.

A primeira expedição aos destroços do Titanic foi realizada em 2021. Seguiu-se mais uma viagem no ano seguinte e uma outra agora, iniciada no domingo. Antes do passeio inaugural às profundezas do Oceano Atlântico, no entanto, a empresa norte-americana OceanGate foi amplamente alertada sobre os perigos que a missão turística poderia acarretar para os próprios passageiros.

Em janeiro de 2018, a equipa de engenharia da OceanGate deu como finalizada a produção do submersível Titan, tendo já definida uma tripulação que seria responsável por garantir a segurança dos futuros exploradores. Contudo, especialistas internos e externos à firma fizeram soar os alarmes.

De acordo com documentos consultados pelo jornal “The New York Times”, há cinco anos, o então diretor de operações marítimas da OceanGate, David Lochridge, moveu um processo judicial no qual advertia que a embarcação precisava de ser submetida a mais testes, enfatizando “os potenciais perigos para os passageiros do Titan no caso de o submersível atingir profundidades extremas”.

A posição de Lochridge em relação ao submersível Titan fez com que o engenheiro fosse afastado da empresa depois de ser acusado de expor informações confidenciais sobre a OceanGate. À Justiça, o ex-responsável pelas operações marítimas explicou que tinha instado a firma a procurar certificação, mas os superiores terão dito que esta “não estava disposta a pagar” por tal avaliação.

Lochridge, informam os documentos, terá ainda alertado a equipa para o facto de a janela de visualização do Titan, que permite aos passageiros observar os destroços do Titanic a partir do interior do submersível, só foi certificada para mergulhar em profundidades até 1300 metros. Porém, o naufrágio encontra-se a quase quatro mil metros de fundura.

Carta de especialistas alertou sobre perigos “catastróficos”

Na mesma altura, a OceanGate também recebeu avisos externos. Especialistas na área da indústria marítima, mergulhadores e oceanógrafos, pertencentes ao comité de Veículos Subaquáticos Tripulados da Marine Technology Society, juntaram-se para enviar uma carta ao diretor-executivo da empresa, Stockton Rush – um dos homens que agora está desaparecido.

Segundo o jornal norte-americano, os entendidos davam conta que a “abordagem experimental” da empresa e a decisão de excluir uma avaliação tradicional por parte de uma agência especializada que pudesse certificar a embarcação poderia ter “consequências catastróficas” na sequência da viagem aos destroços do Titanic.

A Marine Technology Society também refutou as alegações da OceanGate, que indicavam que o Titan “atendia ou excedia os padrões de segurança DNV-GL”, ainda que, aparentemente, não quisesse que a embarcação fosse avaliada pela organização, que é responsável por certificar este tipo de veículos e emite regulamentos.

Um ano após o envio da carta por parte da Marine Technology Society, a OceanGate explicou o porquê de não recorrer à avaliação da DNV. A empresa reconheceu, numa publicação nas redes sociais, que a classificação garante que “as embarcações sejam projetadas, construídas e inspecionadas de acordo com os padrões aceites”, mas que pouco fez para “eliminar operadores de embarcações abaixo da média”.  “Trazer uma entidade externa a par de todas as inovações antes de colocá-las em testes no mundo real é um anátema para a inovação rápida”, justificou.

Ao defender a decisão de não classificar o Titan, a empresa destacou ainda o que disse serem inovações de segurança a bordo, incluindo “vasos de pressão de fibra de carbono e um sistema de monitorização do estado do casco em tempo real (RTM)”.

A capacidade do casco do submersível de suportar tais profundidades foi, porém, igualmente questionada no processo judicial movido em 2018 por David Lochridge.

Não está claro, noticia a agência Reuters, se o submersível Titan chegou a receber qualquer tipo de certificação desde que a partilha foi feita pela OceanGate, em 2019. Todavia, três anos mais tarde, um repórter do canal de televisão norte-americano CBS News foi convidado a viajar na embarcação e teve de assinar vários documentos, entre os quais um termo de responsabilidade, que davam conta que a embarcação não tinha sido “aprovada ou certificada por nenhum órgão regulador”, o que poderia “resultar em lesões físicas, traumas emocionais ou morte”.

Queixas na primeira expedição

No ano passado, a OceanGate mencionou alguns problemas técnicos com o Titan durante a viagem de 2021, depois de terem havido queixas de passageiros. “No primeiro mergulho, o submersível teve um problema com a bateria e teve de ser conectado manualmente à plataforma de elevação”, especificou o consultor jurídico e operacional da empresa, David Concannon, no documento judicial, que foi arquivado pelo Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Leste da Virgínia – responsável por supervisionar assuntos relacionados com o Titanic.

As denúncias levaram a empresa a cancelar a missão para que pudessem ser realizados reparos, ainda assim, em 2022, um total de 28 pessoas participaram na expedição que permite observar de perto os destroços do navio naufragado.

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER