EditorialBlog

Uma Terra intimidada

Editorial

Uma Terra Intimidada - mileniostadium
Carton by Stella Jurgen

 

À medida que o mundo gira em torno do seu eixo, torna-se extremamente claro que as três superpotências económicas continuam a comandar o mundo através da propagação do medo, para que possam ser os nossos salvadores. A angústia que advém da Covid-19 tem vindo a ser acentuada pela China, EUA e pela Rússia; cada um acenando o seu simbolismo fálico, transmitindo mensagens preocupantes, com presságios negativos que afetarão o mundo num curto prazo de tempo. Enquanto centenas de milhares de pessoas continuam a protestar sobre nada e sobre tudo, os três gigantes exercem o seu poder aproveitando-se da confusão que o mundo está a proliferar. O Ocidente desmoronou-se devido ao medo de uma China ou Rússia agressivas e nós vivemos na interrogação de qual será o seu próximo passo. A fraqueza do sistema político nos Estados Unidos providenciou uma oportunidade para que esses dois ativistas continuem a disseminar campanhas de controlo, tanto dentro como fora das suas fronteiras. Será que o Ocidente se rendeu a atitudes partidárias convenientes, por meio das quais nos sentimos mais bem servidos ao sucumbir à aceitação de certas políticas desagradáveis da Rússia e da China, em vez de desprezar o seu método governamental? Parece que chegámos a este ponto, e o Ocidente considera a expulsão de diplomatas como uma forma de protesto às atividades ilegais perpetuadas por estes dois. Parece que a guerra fria regressou já que as tensões geopolíticas cresceram, no entanto, esta não é a guerra fria de ontem. Está muito mais em jogo e as consequências são muito piores.

A Rússia está novamente a dar sinais de uma guerra com a Ucrânia e Taiwan ordena que os aviões descolem em sentido de urgência para desencorajar a agressão chinesa, e tudo o que o Ocidente pode fazer é advertir para as consequências. A China é responsável por mais de 15% do PIB Global e está a utilizar a sua política Covid Zero para evidenciar as vantagens do seu sistema político em comparação com a abordagem democrática.

O caminho fascista para o Governo da Rússia, em que o respeito é apenas um mecanismo interno de autosserviço, enquanto intimida os oponentes e vizinhos, continua sem grandes represálias por parte da aliança ocidental. Isto evidencia a debilidade do processo de pensamento democrático e a diluição dos valores que abraçamos enquanto defensores da igualdade. Apesar da lógica de dissuasão prevenir a destruição mútua de países, não existem sinais de uma vontade de enfrentar os intimidadores que controlam o fornecimento de gás na Europa e o domínio da China nos produtos necessários ao Ocidente para sustentar a sua economia.

A propaganda chinesa invadiu o mundo, afetando economias que estão interligadas e dependentes do comunismo chinês. A recuperação da economia mundial será bastante desigual, sendo que os países pobres vão enfrentar uma situação muito pior e ainda estarão dependentes de países como a China para ajudar na sua recuperação, resultando assim num maior controlo das economias do mundo. Milhões de vidas dependem da forma como a pandemia vai acabar, e irá afetar sobretudo os países pobres onde a doença poderá nunca ser completamente erradicada.

O caminho para a liberdade não está concertado e a proteção do bilião de pessoas, ou mais, que se encontram sem imunidade será essencial para o futuro do vigor democrático. Enquanto sociedade teremos de examinar se permitimos que os intimidadores do mundo levem a nossa liberdade, em prol da conveniência periódica de não dar um murro na cara destes opressores. À superfície pode parecer que a China não está a dominar o mundo, mas o cancro que se propaga na terra está a apodrecer uma árvore que poderemos nunca conseguir deitar abaixo.

Fique bem.

Manuel DaCosta/ MS

 


 

English Version

 

A Bullied Earth

As the world turns on its axis, it is abundantly clear that the three economic superpowers continue to rule the world by selling fear so they can become our saviour. The angst because of Covid is being accentuated by China, USA, and Russia each waving their phallic symbolism sending messages of foreboding concerns which will affect the world in the short term. While hundreds of thousands of people continue to protest about anything and everything, the three giants exert their power by taking advantage of the confusion the world is propagating. The west has crumbled due to fear of belligerent Russia and China and we walk around wondering what they will do next.  Weakness within the political system in the United States has provided an opportunity for the two activists to propagate continuing campaigns of control both within and outside of their borders.  Has the west capitulated to convenient partisan attitudes whereby we feel better served by succumbing to acceptance of certain unsavoury policies by Russia and China rather than disparaging their governance methodology? It would appear that it has come to this, and the west consigns to expelling diplomats as a protestation of the illegal activities perpetrated by the two. The cold war appears to have returned as geopolitical tensions grow but this is not the cold war of yesterday. The consequences are much worse and the stakes much higher.

Russia is again signalling war on Ukraine and Taiwan scrambles planes to air to deter Chinese aggression and all the West can do is warn of consequences. China is responsible for more than 15% of Global GDP and is using its zero Covid policy to highlight the advantages of their political system over a democratic approach.

Russia’s fascist path to government where respect is only an internal self-serving mechanism while bullying of political opponents and neighbours goes without any profound reprisal by the western alliance shows a meltdown of the democratic thought process and a dilution of the values we embrace as egalitarian drum-beaters. While the logic of deterrence prevents countries from mutual destruction, there are no signs that there is an appetite to stand up to the bullies who control gas supplies to Europe and Chinese dominance of the products the west needs to sustain their economies.

Chinese propaganda has invaded the world affecting economies which are wholly intertwined and dependent on communist China. World economic recoveries will be very uneven with poor countries faring much worse thus depending on countries like China to assist in their recoveries, resulting in more control of the world economies. Millions of lives depend on how the pandemic ends, which will affect mainly poor countries where the disease may never be fully eradicated.

The path to freedom is not fixed and how do we protect the billion or more people without immunity is essential to future democratic strengths. As a society we will have to judge if we allowed the bullies of the world to take our freedoms because of a periodical convenience of not punching these oppressors in the face. On the surface it may appear that China is not ruling the world, but its cancerous spread on our earth is rooting a tree that we may never be able to cut down.

Be well.

Manuel DaCosta/MS

 

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER