Saúde & Bem-estarBlog

Tchim tchim!

Tchim tchim-saudebemestar-mileniostadium
High angle view of people sitting at festive table having dinner and toasting with glasses of red wine. Photo: DR.

Há quem não passe sem ele às refeições, quem veja nele um género de “terapia de relaxamento”, quem só consuma em ocasiões especiais e há também quem não lhe possa sequer sentir o cheiro. Gostos não se discutem e este princípio também se aplica ao consumo de vinho! Apesar disso o vinho é mesmo uma das bebidas mais apreciadas do mundo, estando inclusive o seu consumo moderado associado a diversos benefícios no que à nossa saúde diz respeito. 

Os polifenóis, compostos nutricionais bastante importantes para a nossa saúde, podem ser encontrados no vinho: entre outras mais-valias, eles são capazes de nos proporcionar uma grande sensação de bem-estar. Vamos então ver, mais ao pormenor, alguns exemplos de outros proveitos que podemos retirar deste néctar de Baco!

Redução e regulação da tensão arterial

A ação vasodilatadora do resveratrol, molécula encontrada nas cascas das uvas – principalmente das Tannat, Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah – resulta numa diminuição da tensão arterial. O vinho atua ainda no equilíbrio hídrico do nosso corpo, também ele muito importante para o processo de regulação da tensão arterial.

Menor risco de AVC

Os polifenóis ajudam também a evitar a coagulação do sangue. Assim, são capazes de “destruir” coágulos sanguíneos, que em casos extremos podem levar a um acidente vascular cerebral. 

Um “boost” para o sistema imunológico

Esta é uma das grandes preocupações sentidas por pessoas que vivem em ambientes muito poluídos ou que possuem um estilo de vida muito stressante. Se este é o vosso caso fiquem então a saber que o consumo de vinho – nas doses recomendadas – pode dar aquele “empurrão” de que o nossos sistema imunológico necessita, graças ao composto antioxidante deixado no intestino, que auxilia no processo de desenvolvimento das bactérias saudáveis, o que por sua vez estimula a produção de células T. Para além disso, o resveratrol também é importante para a criação de moléculas anti-inflamatórias.

A ação no colesterol

As doenças cardiovasculares continuam a ser, segundo um recente balanço da Organização Mundial de Saúde, a principal causa de morte a nível mundial. São dados relativos ao período entre 2000 e 2019 que nos dizem ainda que o número de mortes associadas a problemas cardíacos aumentou em mais de 2 milhões, representando agora 16% do total de todas as causas.

Com o consumo responsável de vinho conseguimos ter, basicamente, o melhor de dois mundos: diminuir o colesterol “mau” (LDL) presente no sangue e, por outro lado, promover o aumento do colesterol “bom” (HDL), o que ajuda a diminuir a ocorrência deste tipo de doenças.

Melhoria da função cognitiva

Ao que parece, o consumo desta bebida está associado a uma melhoria cognitiva, sobretudo em pessoas com mais de 50 anos, exercendo influência na criação de novas memórias, na aprendizagem e até no vocabulário! 

A sua inclusão no processo culinário

Sim, também podem usar o vinho nos nossos cozinhados e daí retirar inúmeras vantagens! Por exemplo: para além de ficar delicioso, marinar a carne em vinho tinto ajuda ainda a prevenir a formação de compostos carcinogénicos.

Bom… mas sempre com moderação!

Importa sempre lembrar que todos estes benefícios dependem de um consumo responsável e moderado – e com isto chegamos à grande questão: quando é que é demais?

Ora, a recomendação dos profissionais é de que, regra geral, não se ultrapassem os 150 ml diários. Não se esqueçam que quando consumido em exagero o vinho pode não só prejudicar células do cérebro e do fígado, como também desenvolver transtornos ao nível do comportamento.

Inês Barbosa/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER