Temas de Capa

Vox Pop

voxpop - 2022-09-02- milenio stadium

 

Trabalhadores, suas diferentes histórias de vida, escolhas e jornadas. Nessa edição em que celebramos aqueles que trabalham, para o sustento próprio e da família, para satisfação pessoal e profissional e que tanto contribuem para a formação da sociedade e economia canadianas, estivemos à conversa com diferentes pessoas e ouvimos seus relatos. Profissionais que se acidentaram ou foram acometidos por alguma doença e de alguma forma tiveram a vida laboral impactada ou até extinta precocemente, outros que decidiram mudar de rumo e trocar de área de atuação, uma decisão que demanda coragem e resiliência. Abaixo confira as diferentes trajetórias e histórias dessas pessoas.

Lizandra Ongaratto/MS

 

Ana Paula Romão,42 anos, trocou de área de atuação

A influência da família levou Ana Paula a optar por um caminho profissional que não era a sua maior paixão. Formada em Tecnologia, seguiu o exemplo do pai e do irmão, e assim como eles não teve dificuldades em conseguir um lugar no mercado de trabalho e ser “bem-sucedida”. Mas essa definição na verdade é relativa, e apesar do bom emprego com contracheque alto, sentia que aquela não era a escolha que a fazia mais feliz e satisfeita. Depois de 10 anos no ramo, criou coragem e deixou o emprego: “Por não ser tecnologia o que mais gosto de fazer e já estar cansada de trabalhar para os outros, a pressão no dia a dia, o stress e muitas vezes a falta de reconhecimento, resolvi ter como fonte de renda principal o que eu fazia nas horas vagas, ser fotógrafa.”

A decisão não foi fácil e ela não nega que no início a condição financeira só não foi abalada porque havia feito reservas financeiras: “A principal dificuldade é conseguir se firmar no mercado de trabalho e isto leva um pouco de tempo até que conheçam a qualidade do seu trabalho, porém eu já estava preparada, antes de largar minha área anterior eu já tinha juntado dinheiro, feito investimentos em bons equipamentos. No meu caso, como eu já fazia isto como hobbie, não foi difícil me adaptar à transição, até porque é algo que eu realmente sinto prazer em fazer. Outra questão é que eu não tenho um dia certo para receber meu pagamento como era quando eu trabalhava numa empresa convencional, todo mês eu sabia que meu salário estaria lá, hoje não. Porém, mesmo assim valeu a pena”.

Assim como existiram as dificuldades, existem as vantagens de trabalhar para si própria que hoje em dia a fotógrafa não troca por nada: “Tenho liberdade para fazer meu ritmo, meus horários, conforme a demanda. Não fico presa em ter horário para entrar e não ter hora para sair. Não passo stress como antes, tenho liberdade e paz e isto não tem preço.”

Anônimo, teve que parar de trabalhar depois de um acidente de trabalho

Esse imigrante brasileiro, que prefere não divulgar o nome, tem uma história parecida com a de muitos outros conterrâneos. Veio ao Canadá em busca de melhores oportunidades de vida e trabalho. Conseguiu de fato, trabalhar na área da construção, mas como tantos outros não estava em situação legal no país, e quando precisou de assistência médica e da empresa para qual prestava serviços se viu numa difícil situação: afinal, como imigrante ilegal não tinha como reivindicar certos benefícios. No auge do inverno sofreu uma queda durante a jornada de trabalho e desde então passou a ter problemas de coluna que o impossibilitaram de voltar às atividades nessa área. Foi ao hospital onde realizou exames e levou uma injeção: ao término recebeu a conta de $600 que até hoje não foi paga. A empresa de telhados em questão não prestou qualquer tipo de ajuda, segundo o relato desse imigrante. Durante a pandemia foi dispensado do trabalho: “Essa empresa virou as costas para mim…essa é a situação. A gente se dedica, trabalha várias horas a mais no dia, mas quando precisei, fiquei sozinho”.

No tempo em que trabalhou nessa área, de forma ilegal, ele diz que viu muitos abusos de encarregados de obras, que exigiam que os empregados trabalhassem muitas horas além do expediente oficial por dia. “Deveria haver uma fiscalização maior, dos horários que os funcionários trabalham, as condições oferecidas. É isso que eu penso.” E conclui: “O governo deveria facilitar a condição de quem vem para cá com vontade de trabalhar, ajudar o desenvolvimento do país, como é o caso de tantos que atuam na área da construção”.

Jannette Costa, 42 anos, trocou de área de atuação

Durante 15 anos Jannette Costa trabalhou como assistente social voltada para a área infantil na Toronto Catholic Children Aid. A principal função era acompanhar casos de denúncias de abusos, físicos ou psicológicos contra crianças, acompanhar os casos e envolver as redes de apoio necessárias para cada um. Uma profissão que a expunha a diferentes realidades, nem sempre boas e saudáveis, de famílias na cidade de Toronto. Apesar do sentimento recompensador de ajudar a diversas crianças a pesada rotina a fez questionar os rumos profissionais.
Justamente nesse período a empresa fundada pelo marido, Carlos Costa, a ACS Productions Sound and Lighting, começou a crescer e era preciso alguém de confiança para ajudar na parte administrativa. Jannette aproveitou uma licença de um ano do trabalho junto ao governo para se dedicar à nova empresa e os resultados foram melhores do que esperava.

Foi então que decidiu tomar a decisão de mudar de vez de área de atuação. Deixou o emprego de assistente social, área em que se graduou e sempre foi apaixonada, para se aventurar no mundo dos negócios no ramo do entretenimento. Desde então, há cinco anos, atua no Departamento Financeiro e Recursos Humanos da ACS: “Foi uma escolha que foi muito bem planejada, porque afinal eu larguei um emprego estável, mas foi uma mudança necessária porque meu marido e a empresa precisavam de alguém de confiança e que visasse sempre o melhor para os negócios. Além disso para mim foi um desafio, mudar radicalmente de área, crescer profissionalmente”, avalia ela.

Em relação aos pontos positivos e negativos da mudança pontua: “Eu sinto saudades dos colegas, das pessoas com as quais trabalhava e claro de ajudar as crianças e famílias que precisavam, mas agora também tenho a recompensa de trabalhar para o negócio da minha família, algo que é nosso, então foi uma boa escolha”. E complementa: “Esses anos todos que trabalhei junto a comunidade foram muito importantes para minha bagagem profissional e me ajudam muito a lidar com os funcionários, com várias questões que se apresentam no dia a dia da empresa”.

Michael Braun, 50 anos, afastado do trabalho por razões de saúde

Um olhar apurado, atenção aos detalhes e uma criatividade aguçada eram primordiais para Michael Braun, hoje com 50 anos, desempenhar sua função de designer gráfico e fotógrafo na empresa na qual trabalhava, além disso a área musical também tinha um grande espaço na rotina dele.

Foi no ano de 2010 que a realidade conhecida por Michael até então mudou de forma brusca. As constantes dores de cabeça e tonturas o levaram a procurar atendimento médico e o diagnóstico veio logo em seguida: ele estava com um tumor no cérebro, mais especificamente em volta do nervo ótico. Foi preciso realizar uma cirurgia e devido ao estágio avançado do tumor, ele perdeu 50% da visão. Durante um ano ficou afastado do trabalho e recebeu o benefício através do seguro da empresa. Depois desse período, voltou a trabalhar, mas sem parte da visão o rendimento não era mais o mesmo e algum tempo depois as dores voltaram e a visão que lhe restava começou a ficar mais prejudicada.

Em abril de 2012 teve que deixar o emprego de vez e passou a receber o benefício privado do seguro da empresa na qual atuava, quantia, no entanto, que ele calcula seja “metade do valor do salário que recebia na época” e confirma que a situação financeira só permaneceu equilibrada em função da esposa. “É um valor muito abaixo do que eu recebia e de fato o custo de vida só tem aumentado nos últimos tempos”. Em relação a maneira como se sentiu tratado pela empresa em que trabalhava, ele diz que sentiu uma falta de apoio e citou por exemplo que há algum tempo precisou ir novamente no médico para fazer uma avaliação sobre a condição de saúde “É difícil poque parece que tenho que provar que não estou mentindo, que estou mesmo sem a visão. O médico que eu consultei me falou que esse controle rígido acontece porque algumas pessoas de fato tentam burlar o sistema e tirar proveitos, eu entendo isso, mas para eu ter que reviver esse assunto é algo delicado, traz sentimentos à tona”, explica.

Apesar disso, ele afirma ter tido sorte de trabalhar numa grande empresa e com seguro para esses casos de incapacitação física. “Quem depende apenas do governo eu sei que passa por situações mais difíceis”, destaca. Atualmente Michael está envolvido com projetos de grupos de pessoas com deficiência visual o que o ajuda a superar as dificuldades impostas pela condição: “Sinto saudades do meu trabalho, de me envolver com projetos artísticos de alta criatividade”.

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER