Temas de CapaBlog

O que esperar da economia canadiana em 2022

O que esperar da economia canadiana-capa-mileniostadium
Créditos: DR.

A aguardada recuperação económica vai surgir com um efeito pouco agradável – o contínuo aumento da inflação. Os economistas antecipam que à medida que a economia canadiana vai recuperar da pior recessão económica desde a Grande Depressão, os preços vão continuar a aumentar e o custo de vida para o consumidor médio vai ser cada vez mais elevado. Ainda assim, os especialistas antecipam que a subida de preços não vai ser tão acentuada como na segunda metade de 2021.

De acordo com a Statistics Canada os preços em novembro foram quase 5% mais elevados do que em 2020. Os números são superiores às previsões iniciais (3,5%) de inflação que o Banco do Canadá tinha divulgado.

O ano passado foi marcado por interrupções na cadeia de abastecimento por causa da COVID-19 e por um grande aumento nos preços da energia. Apesar da situação ter estabilizado um pouco, a verdade é que continua longe dos últimos 30 anos.

Portanto se foi um dos felizardos que conseguiu acumular poupanças em 2021, quer seja porque começou a trabalhar a partir de casa ou porque deixou de gastar dinheiro em viagens, em concertos ou cinema, prepare-se para gastar esse dinheiro este ano em bens e serviços essenciais. Habitação, alimentação e combustível são alguns dos bens que devem aumentar mesmo com a aguardada recuperação económica.

Outro dado importante que pode afectar os preços são as alterações climatéricas. Como vimos no ano passado as inundações e os deslizamentos de terra na Colúmbia Britânica afetaram todo o mercado de abastecimento canadiano, inclusive na província de Ontário. Agora a esperança é que as populações se consigam restabelecer e voltem a produzir os mesmos produtos que são essenciais para abastecer a economia nacional.   A pandemia obrigou as empresas e as pessoas a se adaptarem e o teletrabalho tornou-se na nova norma. Mesmo que alguns trabalhadores voltem ao escritório, um modelo híbrido que permite trabalhar a partir de casa e a partir do escritório em simultâneo deve manter-se em 2022 quando a situação pandémica estabilizar. Um fenómeno que deve continuar a secar as receitas das empresas de transportes públicos e os lucros das autarquias com estacionamento e licenças porque muitas das empresas que dependiam destes clientes para sobreviver podem ter de fechar as portas.

Para dar um exemplo concreto, alguém que trabalha no centro de uma cidade como Toronto utiliza lá vários serviços: vai ao restaurante, a lojas de retalho, coloca a roupa para limpar a seco numa lavandaria, etc. Com o teletrabalho tudo isto está em risco.

Com a diminuição das viagens de negócios agências de viagens, hotelaria e restauração também se vão sentir. As participações em videoconferências devem continuar a crescer e as viagens podem vir a custar mais caro. Abaixo publicamos uma entrevista com o economista chefe da Conference Board of Canada (CBC), Pedro Antunes onde algumas destas preocupações são abordadas.

Apesar de tudo, uma sondagem recente conduzida pela Nanos Research revelou que a pandemia voltou agora a tornar-se na principal preocupação para os canadianos, logo depois surgem as dívidas, o emprego e as alterações climáticas. Portanto, por enquanto, a economia não é a principal preocupação dos canadianos.

Milénio Stadium: Quais são as projeções da Conference Board of Canada (CBC) para o crescimento do PIB canadiano em 2022?

O que esperar da economia canadiana-capa-mileniostadium
Pedro Antunes, economista chefe da Conference Board of Canada (CBC). Créditos: DR.

Pedro Antunes: Apesar das restrições renovadas devido à vaga de Ómicron, esperamos que a economia canadiana continue a recuperar em 2022 e a registar um forte crescimento. As restrições económicas deverão ser afrouxadas no início do ano, permitindo um crescimento de 4,4% do PIB real este ano, após um ganho estimado de 5,1% em 2021.

MS: Quando é que a inflação vai estabilizar?

PA: Enquanto a inflação está muito elevada neste momento, tanto no Canadá como a nível global, esperamos que muitos dos fatores que contribuíram para fortes aumentos de preços sejam temporários, permitindo que as pressões inflacionistas abrandem nos próximos trimestres. Globalmente, estamos a prever uma inflação de 2,7% em 2022, mas esta deve abrandar para a faixa dos 2,0% no próximo ano. Há riscos para esta previsão. Se as pressões inflacionistas começarem a fazer subir os salários, o que então obriga as empresas a fazer subir os preços, isto poderá levar a um período mais longo de inflação mais elevada.

MS: Os danos económicos da COVID-19 vão persistir no país?

PA: A COVID-19 vai resultar em mudanças duradouras para a economia. Esperamos que vários sectores continuem a sentir os efeitos negativos das transições que a COVID-19 tem causado. A adoção maciça do teletrabalho, por exemplo, vai ser, em parte, permanente, o que vai beneficiar alguns sectores da economia, mas vai prejudicar muitos outros, tais como os transportes pendulares, os prestadores de serviços no centro da cidade e o desenvolvimento comercial (sobretudo de escritórios). Estamos também preocupados com os impactos duradouros da redução das viagens no sector do turismo e do fabrico de equipamento de transporte. E, claro, a COVID-19 tem tido um enorme impacto na situação fiscal do Canadá. Esperamos que depois da recuperação possamos assistir a um período prolongado de contenção fiscal, tanto a nível federal como provincial.

MS: Baseado no orçamento federal de 2021-2022, o responsável pelo orçamento do Parlamento projeta que o governo federal vai apresentar défices em 2070. Quais são as consequências destas projeções económicas para as próximas gerações?

PA: Como acabei de referir, as consequências são uma tensão a longo prazo sobre a capacidade dos governos para financiar programas e impostos potencialmente mais elevados. Os nossos desafios fiscais não são apenas a nível federal, mas também a nível provincial/territorial do governo, uma vez que eles também assumiram aumentos maciços da sua carga de endividamento. Os contribuintes atuais e futuros vão ser responsáveis por esta dívida – os jovens que iniciam as suas carreiras profissionais vão ser sobrecarregados com isto num futuro previsível. 

MS: Quais são os prós e os contras de aumentar o salário mínimo em Ontário para $15 por hora?

PA: O aumento do salário mínimo resulta geralmente num aumento do preço dos bens e serviços oferecidos pelas empresas que empregam esses trabalhadores. Assim, o aumento do salário mínimo vai beneficiar os trabalhadores afetados, mas pode também ter um impacto no poder de compra das famílias em termos mais gerais. E, embora os dados sejam contraditórios, a nossa investigação sugere que os aumentos do salário mínimo, se significativos, podem provocar a erosão do crescimento do emprego. A minha maior preocupação com o salário mínimo é que ele seja aplicado em toda a província, embora as condições do mercado de trabalho e o custo de vida possam ser muito diferentes em diferentes regiões. Como tal, a aplicação de um salário mínimo de $15 na cidade de Toronto pode não ter muitas repercussões, mas essa mesma taxa salarial noutras regiões pode ser bastante distorcida, tendo um maior impacto no preço dos serviços e no crescimento do emprego.

MS: Em poucos meses os habitantes de Ontário vão ser chamados às urnas para escolher o seu líder para os próximos quatro anos. Quais são os grandes desafios para o futuro Premier de Ontário?

PA: O governo provincial vai ter muitos desafios dado o impacto da COVID-19 na situação fiscal. O governo precisa de estabelecer um plano credível para gerir e reduzir o seu défice, apesar dos desafios associados à prestação de cuidados de saúde e outros programas. Um enfoque em medidas que poderiam estimular o investimento do sector privado seria também bem-vindo como um gasto de capital em Ontário fraco em comparação com o nosso desempenho histórico e em comparação com os níveis de investimento nos EUA.

Joana Leal/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER