Temas de CapaBlog

O futuro da comunicação – Submersos de tecnologia

O futuro da comunicação-capa-mileniostadium
Créditos: wocintechchat

O mundo moderno acelera inovações e mudanças, muito concretamente no que à tecnologia diz respeito. A nossa perceção do mundo, a nossa visão e a maneira como nos relacionamos com as empresas, as pessoas, está completamente e cada vez mais ligada ao modo como se comunica no cenário virtual. Ao longo dos anos é notória uma clara mudança na forma como se dialoga com o público. O marketing ganhou uma preponderância essencial na sustentabilidade económica de todo o tipo de empresas e áreas de negócio. As estratégias de marketing são mais inteligentes e até agressivas na perspetiva da sua eficácia, mas também substancialmente menos invasivas.

Os tempos, de facto, mudam e a forma como os recetores da mensagem comunicacional se posicionam e consomem os conteúdos também. O serviço de Streaming, por exemplo, viu a sua presença ser muito consolidada, nos últimos anos, com especial incidência durante estes tempos de pandemia – se já antes se afirmava como o futuro, agora está cada vez mais presente. Vermos o que queremos, quando queremos, ouvirmos quem queremos, quando queremos: uma liberdade e poder de controlo que todo o utilizador aprecia e já não prescinde.

Merlyna Lim, especialista em comunicação e media digital, esteve à conversa connosco e falou não só destas problemáticas, como de outras como a cibersegurança ou ainda como será o futuro, que com certeza nos fará viver submersos de tecnologia.

Milénio Stadium: Como se pode explicar, de forma simplificada, o que é o streaming e como funciona?   

O futuro da comunicação-capa-mileniostadium
Merlyna Lim, Canada Research Chair in Digital Media & Global Network Society A/ Professor of Communication and Media Studies, Director & Founder of ALiGN (Alternative Global Network) Media Lab, School of Journalism & Communication, Carleton University. Créditos: DR.

Merlyna Lim: O streaming, de forma simples e, no entanto, tecnicamente definido é: uma tecnologia utilizada para fornecer conteúdos/dados a dispositivos (computador e telemóvel) através da Internet, num fluxo contínuo, que permite aos destinatários receberem dados (ver ou ouvir) de forma quase imediata.  Streaming é o que se faz quando se está a transmitir áudio ou vídeo em direto através da Internet, e também o que está a acontecer quando se está a ver a transmissão em direto de outra pessoa.

MS: Qual a importância do streaming na vida das pessoas de hoje?

ML: A importância do streaming é variada, dependendo da vida das pessoas, os seus hábitos, as suas preferências. Mas tornou-se cada vez mais ubíqua na forma como as pessoas consomem conteúdos de multimédia.

MS: Podemos considerar que o consumidor de conteúdos é também o gestor de conteúdos na sua Rádio ou TV? É esta uma das razões que tornam o streaming tão atraente nos dias de hoje?

ML: Sim, um gestor em termos de consumir no seu próprio tempo (e espaço), mas não é bem um gestor em termos de preferências e seleção de conteúdos. Em termos de preferências, é um algoritmo que, na realidade, é um gestor. Por exemplo, o algoritmo da Netflix classifica os nossos rankings (de interesse) com base no nosso histórico e oferece conteúdos personalizados.

MS: Por outro lado, também se torna mais fácil criar os próprios conteúdos. Numa perspetiva de qualidade, considera este facto uma vantagem ou desvantagem?

ML: A qualidade do conteúdo gerado pelo utilizador é variada. Podemos encontrar do mais alto e o mais baixo, a gama é bastante ampla. O que é evidente é que embora se tenha tornado muito mais fácil partilhar conteúdos, está a tornar-se cada vez mais difícil encontrar audiência. A maioria dos vídeos no YouTube, TikTok, Instagram, e noutros locais em plataformas de meios de comunicação social, nunca se torna viral. (Menos de 10% dos vídeos do YouTube têm telespectadores > 1000)

Além disso, está a tornar-se cada vez mais difícil manter a atenção das pessoas no nosso conteúdo. Por exemplo, no YouTube, aproximadamente 20% das pessoas que começam a ver um vídeo saem após os primeiros 10 segundos.

(nota: isto segundo a minha própria memória, pelo que li sobre as estatísticas do YouTube)

MS: O facto de estas formas de comunicação serem cada vez mais globais, fazendo desaparecer “fronteiras”, justifica a cada vez maior importância do marketing digital?

ML: Não acredito muito que as formas de comunicação digital façam realmente desaparecer as “fronteiras”. Enquanto algumas (por exemplo, comércio global e economia) se tornam de facto mais globais, o mundo online também se tornou cada vez mais local e nacional. Línguas, culturas, leis/regulamentos/controlo, etc., tornaram-se “muros” que agrupam os utilizadores em linha.

Os Estados-nação veem cada vez mais a Internet como “sua” Internet, um espaço nacional a ser controlado, regulado, e ativamente moldado – embora eu não pense que alguma vez venham a controlar totalmente, há sempre um empurrão e um puxão para que isso aconteça.  Portanto, sim, o mundo online não é sem fronteiras, as fronteiras existem e, de facto, têm-se tornado cada vez mais aparentes. No entanto, estas fronteiras e territórios são confusos e permeáveis. Eu diria que o mundo de hoje não é simplesmente sem fronteiras, mas também não é simplesmente balcanizado ou fragmentado em fronteiras nacionais. Mas certamente, o nosso mundo tem agora fronteiras porosas. As nossas atividades quotidianas de comunicação refletem a porosidade quotidiana das fronteiras e territórios online, enquanto que com o contínuo empurrão e puxão entre efeitos globalizantes e localizadores. O marketing digital, com base na minha observação, teve também em conta as variações/contextualização local/nacional, e não apenas o elemento global.

MS: Este território cada vez mais vasto que são os meios de comunicação pode trazer problemas ao nível da cibersegurança. Que cuidados recomenda aquando da utilização da comunicação online?

ML: Agora, mais do que nunca, as nossas pegadas digitais crescem exponencialmente, os nossos dados (dados sobre nós) têm sido recolhidos a cada segundo que usamos a comunicação digital e estamos sob vigilância constante (capitalismo de vigilância – ver Soshana Zuboff). Os utilizadores precisam de estar conscientes desta realidade e nunca confiarem plenamente em nenhuma plataforma (empresarial ou governamental) ao ponto de darem informações pessoais/de identidade. Embora seja razoável e importante continuar a exigir que as empresas e outras instituições sejam transparentes na recolha dos seus dados, exigir leis que protejam a nossa privacidade e dados pessoais, assumir a responsabilidade pessoal pela privacidade e segurança online é também a coisa mais importante a fazer por todos nós, os utilizadores.

MS: É possível interligar a forma de comunicar tradicional com os tempos modernos?

ML: Sim, definitivamente. Primeiro, enquanto o desenvolvimento tecnológico continua a proporcionar novas formas de comunicação, a nossa necessidade básica de comunicação, tanto tradicionalmente falando quanto a de hoje em dia, ainda se baseia muito nos nossos desejos de interagir uns com os outros, e muito impulsionada pelas necessidades emocionais/psicossociais.

Em segundo lugar, muitas das novas formas de comunicação de hoje estão enraizadas no passado histórico. Por exemplo, o emoji, o sistema visual de comunicação pode ser paralelo aos hieróglifos egípcios, quando os humanos criaram símbolos na sua tentativa de comunicar não verbalmente uns com os outros. O podcast é paralelo com a transmissão radiofónica dos tempos antigos, representando o nosso desejo de uma experiência íntima aprofundada baseada no som/áudio, livre de ruídos visuais e contra a tendência dominante de consumo de conteúdos super acelerada.

MS: Na sua perspetiva, qual será o futuro da comunicação?

ML: Qualquer tentativa de prever o futuro, especialmente um que tenha sido historicamente dinâmico, é, na melhor das hipóteses, assustadora. Mas aqui tento resumir os meus pensamentos em três perspetivas.

Tecnologia

Em termos tecnológicos, a integração de máquinas inteligentes nas nossas tecnologias de comunicação tornar-se-á cada vez mais aparente e avançada. Dos algoritmos de aprendizagem de máquinas à Inteligência Artificial (IA), tecnologias que se assemelham à combinação de inteligências homem-máquina têm sido cada vez mais utilizadas na última década, mais ou menos. A utilização de tais tecnologias, desde a automação, tradução de voz em tempo real, até à análise das emoções e comportamentos dos clientes, será mais prevalecente nas indústrias. Os consumidores são, portanto, cada vez mais vulneráveis no seu poder de posicionamento/poder de negociação face às empresas.

Tais tecnologias serão também mais prevalecentes nas plataformas de comunicação utilizadas para a interação diária. Entretanto, a presença virtual, possivelmente através da realidade aumentada/realidade ampliada, tornar-se-á também muito parte da nossa comunicação.

As tecnologias de comunicação sem material e portáteis / que se possam “vestir” facilmente também se tornarão mais aparentes e avançadas. Sem fios, sem papel, sem ecrã, etc. A partir de relógios inteligentes e óculos de Google, veremos mais tecnologias viáveis do futuro.  Com tais tecnologias, no próprio futuro, a tecnologia poderá permitir-nos comunicar os nossos pensamentos diretamente ao cérebro de outras pessoas, uma vez que as interfaces cérebro-computador continuam a ser desenvolvidas.

Velocidade, volume e alcance

É óbvio que a tecnologia digital transformou a natureza da nossa comunicação – isto é particularmente evidente em termos do imediatismo/velocidade e alcance proporcionado pelas plataformas online e pelo volume de informação/dados transmitidos entre nós. Esta tendência irá continuar no futuro, alterando a natureza das redes sociais com as quais comunicamos e interagimos. E, o fenómeno dos bytes decrescentes continuará, uma vez que passamos menos tempo a digerir um volume de conteúdo muito maior. Tudo isto não está necessariamente correlacionado com o progresso humano. 

Modo

Quando se trata do modo de comunicação, curiosamente, enquanto as nossas tecnologias de comunicação se tornaram mais avançadas e complexas, regressamos a tipos de comunicação que são reducionistas se comparados com a comunicação verbal presencial. Uma vasta gama de emoções, expressões e gestos continua a ser “emojinizada” – reduzida a símbolos e sinais visuais.

Penso que haverá um vai e vem entre o modo de comunicação fácil/simplificado e o desejo de ter uma comunicação complexa e profunda. E os meios de comunicação serão desenvolvidos para seguir esta contestação.

Catarina Balça/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER