Temas de CapaBlog

Dieta pobre em nutrientes pode levar a doenças mentais

Dieta pobre em nutrientes-capa-mileniostadium
Créditos: DR

Um novo estudo americano provou que um grupo de mães pobres que recebeu uma quantia extra de dinheiro para alimentar o seu filho durante o primeiro ano de vida fez com que a atividade cerebral das crianças fosse maior. Segundo os investigadores quando as crianças ingeriam alimentos com mais nutrientes tinham um desenvolvimento cognitivo mais forte. 

O estudo foi publicado esta semana e é da autoria da Universidade da Pensilvânia. Para uma das neurocientistas que esteve envolvida na investigação, esta é a prova de que dar apenas uma quantia extra de dinheiro a famílias carenciadas faz com que os seus filhos tenham um melhor desenvolvimento do cérebro. Cada família envolvida no estudo recebeu $333 dólares americanos. 

Mas os efeitos da pobreza não afetam apenas as crianças. A psicoterapeuta Clarinda Brandão, que exerce em Toronto na clínica Psychotheraphy In The City, localizada na Bloor Street West, avisa que uma alimentação pobre em nutrientes também pode comprometer a saúde mental de um adulto. Problemas como cansaço, incapacidade de tomar decisões, atraso no tempo de reação, stress e depressão são comuns em pessoas com uma alimentação rica em açúcares e pobre em nutrientes. 

Um estudo canadiano divulgado também esta semana revelou que os utilizadores dos bancos alimentares enfrentam lutas mentais e físicas piores por causa da insegurança alimentar. Uma investigadora da Universidade de Otava ouviu mais de 200 utilizadores do Banco Alimentar de Otava entre 2018 e 2019 e constatou que grande parte do grupo tinha problemas como osteoporose, doença cardíaca, diabetes e doenças mentais como depressão, ansiedade ou distúrbios alimentares. Para alguns utilizadores deste banco alimentar o acesso a frutas e vegetais melhorou, mas para outros não houve nenhuma melhoria. 

O aumento do custo de vida e do preço dos alimentos são apenas duas das muitas consequências da pandemia na vida das famílias canadianas. A crise de saúde que se transformou numa crise económica está a afetar os relacionamentos e as próprias crianças. Se as próximas gerações vão ser mais ou menos resilientes, para a psicoterapeuta Clarinda Brandão é preciso esperar por mais estudos.  

Milénio Stadium:  Com o aumento do custo de vida, sobretudo nos alimentos, algumas pessoas mudaram os seus hábitos e deixaram de ir a restaurantes, por exemplo. Como é que esta mudança de hábitos afeta a estrutura das famílias canadianas? Podemos esperar uma mudança em padrões como a sociabilidade?

Dieta pobre em nutrientes-capa-mileniostadium
Clarinda Brandão, Psicoterapeuta. Crédito: DR.

Clarinda Brandão: Vivemos numa época em que o aumento dos preços dos alimentos não é a principal causa da mudança social.  A mudança social está ligada e relacionada com a pandemia em que estamos a viver. As pessoas não podem visitar restaurantes e continuar a fazer outras atividades que gostam devido às limitações que a pandemia tem causado. Se pusermos a pandemia de lado e olharmos para o impacto psicológico do aumento dos custos, podemos compreender muito bem o impacto global na saúde mental. Quando as pessoas são incapazes de financiar o seu estilo de vida, isso pode levar ao isolamento pessoal, stress, ansiedade e depressão de horas extraordinárias. Isto também terá impacto na sua experiência social com outras pessoas.  A impossibilidade de assistir a eventos ou ir a restaurantes irá afetar o seu bem-estar social.

MS: Quais são os efeitos psicológicos numa pessoa que começa a comer menos para poupar dinheiro? Nomeadamente ao nível do desenvolvimento do cérebro ou ao nível da saúde mental?

CB: Quando a dieta é alterada e recebemos menos nutrientes porque estamos a comer menos a nossa saúde mental é gravemente afetada. Mas nem sempre as pessoas têm dinheiro para comprar alimentos saudáveis devido aos elevados preços. Uma dieta pobre pode levar à fadiga, incapacidade de tomar decisões e pode retardar o tempo de reação. De facto, uma dieta pobre pode efetivamente agravar e pode levar ao stress e à depressão. Quando os preços aumentam, as pessoas tendem a comprar coisas que são mais baratas, o que muitas vezes leva a alimentos processados – açúcar e alimentos processados podem levar à inflamação em todo o corpo e cérebro, o que pode levar a uma saúde mental deficiente. Quando nos sentimos stressados ou deprimidos, é frequente procurarmos alimentos processados em busca de soluções rentáveis e cheias a nível emocional. Durante dias ocupados ou difíceis, uma chávena de café é suficiente para completar um pequeno-almoço e frutas/vegetais frescos são substituídos por comida rápida com elevado teor de gordura e calorias. Quando se sente triste, um balde de gelado transforma-se em jantar (ou mesmo saltar o jantar). Em alguns casos, alguns podem comer mais para gerir a ansiedade em torno do stress financeiro, o que, por sua vez, criará um ciclo pouco saudável.

MS: Durante a pandemia alguns especialistas compararam a crise de saúde com uma guerra. Que tipo de famílias é que vamos ter depois da pandemia? Podemos esperar mais divórcios, por exemplo, ou as famílias vão ficar mais fortalecidas?

CB: Casais e famílias têm sido severamente afetados pela pandemia. Embora algumas famílias tenham gostado de passar mais tempo juntas durante a pandemia, há algumas relações que não conseguiram prosperar durante um período de convulsões e incertezas sem precedentes. As famílias foram obrigadas a viver em espaços fechados e esconderam-se umas das outras. As emoções são exacerbadas.  Diferentes opiniões sobre a seriedade da cobiça e, para alguns, sobre o esforço financeiro que a pandemia trouxe para as suas relações. No meu consultório tenho visto um aumento significativo do desejo do casal de trabalhar na sua relação. Muitas vezes, estes casais já tinham problemas com a sua relação; contudo, a vida “normal” permitia-lhes esconder e enterrar muitos dos problemas e sentimentos. Enquanto a pandemia os obrigava a lidar com os problemas ou a enfrentá-los. Cada família é diferente, e algumas sairão dela mais fortes por lidarem com os seus problemas e emoções, e outras separar-se-ão.

MS: E como serão as crianças? Vão ficar traumatizadas ou vão ser muito mais inovadoras do que a geração dos seus pais?

CB: As crianças têm sido afetadas emocional, mental e fisicamente pela pandemia. Com pais/educadores stressados a interagirem de forma diferente com os seus filhos ou a interagirem menos – o que pode ter impacto na saúde mental e no desenvolvimento da criança. Os confinamentos isolaram as famílias, roubando-lhes encontros de brincadeira e interação social com os amigos. As crianças também estão a sentir stress e ansiedade e os pais lutam para saber como ajudar ou gerir. Há muita investigação à volta, que diz que as crianças vão recuperar o atraso sem efeitos duradouros. Mas, neste momento, isso é difícil de medir ou provar.

Joana Leal/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER