Temas de Capa

City of Toronto: Está a acompanhar a onda digital?

milenio stadium - trabalho remoto - toronto

 

Após dois anos de adoção em larga escala do trabalho a partir de casa ou num formato híbrido, muitos empregadores ainda estão a lutar para apoiar os seus trabalhadores remotos. Agora que já não se fazem sentir as pressões do confinamento, algumas empresas optaram por manter a sua força de trabalho a fazer tarefas em casa dois a cinco dias por semana, e uma percentagem dos empregados prefere mesmo trabalhar exclusivamente de casa.

As tendências a que assistimos sugerem que o trabalho híbrido vai desempenhar um papel importante no futuro. Mas estes modelos podem ainda não funcionar para todas as empresas e tipos de serviços. Como estão os órgãos oficiais a enfrentar estes tempos de mudança? Conversamos com Lisa P., funcionária do departamento de contabilidade da City of Toronto, para saber como o sistema tem gerido a transição para um futuro digital.

Milénio Stadium: Há quanto tempo trabalha a partir de casa?
Lisa P.: Eu comecei a trabalhar a partir de casa durante três dias por semana, em janeiro de 2021, e depois passei para dois dias por semana, em 2022.

MS: Agora que a maioria das restrições terminou, os funcionários da Cidade de Toronto continuam a trabalhar nesse modelo híbrido de trabalho?
LP: Atualmente eu estou a trabalhar nesse modelo híbrido: três dias por semana no escritório e dois dias em casa. Creio que a maioria dos funcionários de Toronto também está, mas depende do departamento de cada um e das políticas de trabalho de cada departamento. Existem alguns departamentos que têm a possibilidade de permitir que os seus funcionários trabalhem a partir de casa a tempo inteiro, especialmente os call centers, por exemplo. No entanto, para uma divisão como a minha, que lida com uma grande percentagem de documentos em papel, não é realista trabalhar estritamente a partir de casa.

MS: Quais são os principais desafios que, a nível individual e de equipa, encontram ao trabalhar de casa?
LP: Senti falta de ir até à mesa de alguém e fazer uma pergunta ou mostrar qual é o problema. Agora temos que ligar e partilhar os nossos ecrãs se precisarmos de explicar alguma coisa. Após algum tempo, isso pode ser um pouco aborrecido.

MS: Esse tipo de dinâmica causou atrasos nos processos e no fluxo de trabalho?
LP: A nossa unidade encontrou alguns desafios porque o nosso trabalho baseia-se muito em material em suporte físico, em papel. Existem certas funções que só podem ser feitas no escritório. Isso, combinado com a reforma e a mudança de funcionários para outras divisões, causou algumas interrupções. Além disso, com os trabalhadores a adoecer devido à COVID-19, reduzimos a equipa com frequência. Portanto, sempre tivemos que nos atualizar, trabalhar horas extra se necessário ou concentrarmo-nos mais em determinadas tarefas.

MS: Como é que conseguiram ultrapassar esses obstáculos, nomeadamente com os processos que precisam mais de ser realizados em escritório?
LP: Sim, existem certas tarefas que só podem mesmo ser feitas no escritório. Aqueles que faziam essas funções tiveram de ir com mais frequência ao escritório ou pedir assistência aos seus gerentes para ajudar quando as dificuldades eram esmagadoras devido ao volume de papelada. Na verdade, todos nós ajudámos quando era necessário. Tivemos que nos adaptar, encontrar novas maneiras de fazer as coisas, de modificar os processos e até mesmo a forma como fazíamos o nosso próprio trabalho. O nosso supervisor também conseguiu dividir partes do trabalho que poderiam ser feitas em casa e no escritório. Coisas como correio e pagamentos só podem ser feitas no escritório.

MS: Pensa que foram dados passos importantes para construir um ambiente de trabalho mais moderno?
LP: A Cidade de Toronto forneceu-nos materiais como computadores portáteis onde poderíamos estar ligados às plataformas a partir de casa. Isso é incrível! Eu acredito que a administração tentou tornar os nossos trabalhos mais felizes. Eles também estão a testar os benefícios destes novos modelos de trabalho, então espero que continue. Mas, sublinhando, essa flexibilidade só pode ser dada até um certo ponto, consoante o tipo de serviços e trabalho que cada departamento faz. Ainda precisamos de ir muitas vezes ao escritório para ajudar os nossos clientes.

MS: Gostaria de continuar a trabalhar a partir de casa no futuro?
LP: Eu gosto mais do modelo híbrido. Ajuda no equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. A minha função de trabalho não me permite trabalhar em casa a 100 por cento. Se fosse, não tenho a certeza se iria gostar tanto. Sabendo o quanto eu gosto dos meus colegas de trabalho e de estar nesse meio social, eu sentiria a falta de estar no escritório também. Além disso, trabalhar no escritório facilita a realização de reuniões presenciais rápidas e a resolução de problemas. Por outro lado, ao trabalhar em casa economizo muito dinheiro porque não preciso de transportes, não sou tentada a comprar comida fora e, o mais importante, tenho mais tempo!

Telma Pinguelo/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER