Portugal

Turismo recupera nível global pré-pandemia até final de 2024

A atividade turística terá recuperado globalmente os níveis pré-pandemia até ao final do ano, segundo a OCDE, que num relatório insiste que devem ser procurados modelos mais sustentáveis em termos de impacto ambiental e de envolvimento de todos os afetados.

No relatório publicado esta segunda-feira, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sublinha que as chegadas de turistas internacionais já excederam em 2023 os números de 2019, o ano que precedeu a crise da pandemia, em alguns países, especialmente na Europa.

Em particular, isso ocorreu no Velho Continente em Portugal, que com 19,4 milhões no ano passado recebeu mais 12,1%, mas também em França (mais 7,8%), em Itália (4,4%) ou em Espanha (2%), mas igualmente fora da Europa na Colômbia (33,6%) ou em Marrocos (12,3%).

De um modo geral, os principais destinos europeus beneficiaram em 2023 das viagens dentro da região, bem como da taxa de câmbio favorável do dólar em relação ao euro, o que favoreceu as visitas dos norte-americanos.

Na região da Ásia-Pacífico, a recuperação está a demorar mais tempo, em grande parte porque a reabertura das fronteiras ocorreu mais recentemente, especialmente na China.

Isto explica porque é que em 2023 o volume de visitantes estrangeiros permaneceu muito abaixo do nível de 2019 na Austrália (-24,1%), no Japão (-21,4%) ou na Nova Zelândia (-24%).

As várias crises geopolíticas estão a afetar os fluxos turísticos e a economia do setor. Por exemplo, a invasão russa da Ucrânia deixou muito abaixo do volume pré-pandemia as chegadas de visitantes à Finlândia (-22,3% até ao final de 2023) e a outros países vizinhos da Rússia e da Ucrânia.

Do mesmo modo, os ataques terroristas do Hamas em solo israelita e o conflito em Gaza reduziram as chegadas a Israel em 33,9% no ano passado.

Globalmente, o número de turistas internacionais em todo o mundo em 2022 foi ainda 33% inferior ao registado em 2019. Deve ter-se em conta que em 2020 tinha caído até 72%.

No conjunto da OCDE, enquanto em 2019 o setor do turismo representava 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB), 6,9% do emprego e gerava 20,4% das exportações de serviços, em 2020 a sua contribuição para a atividade caiu para 2,5% do PIB.

Dois anos mais tarde, a quota tinha recuperado parcialmente para 3,9%, em média. Os autores do estudo defendem que, a longo prazo, o turismo continuará a crescer e que isso cria “oportunidades significativas”, mas também coloca uma série de desafios que as políticas têm de enfrentar para o tornar mais sustentável e para que os seus benefícios sejam mais amplamente partilhados e ultrapassem os custos.

Tal implica a adaptação a um ambiente em crescente mutação, o envolvimento de todas as partes interessadas numa “visão comum”, a diversificação da oferta, a atração de novos mercados e segmentos para destinos emergentes e fora dos períodos de ponta.

JN/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER