Portugal

DGS recomenda vacina da AstraZeneca a pessoas acima dos 60 anos

(FILES) In this file photo taken on March 31, 2021 Doses and a vial of AstraZeneca’s vaccine against the coronavirus (Covid-19) lie prepared in a tray at a doctor’s office in Deisenhofen, southern Germany, amid the ongoing pandemic. – AstraZeneca said on April 7, 2021, that two studies conducted by British and European regulators “reaffirmed” that the benefits of its vaccine “far outweigh the risks” despite finding a possible link to rare blood clots. “Overall, both of these reviews reaffirmed the vaccine offers a high-level of protection against all severities of COVID-19 and that these benefits continue to far outweigh the risks,” the British/Swedish company said in a statement. (Photo by LENNART PREISS / AFP)

A Direção-Geral da Saúde (DGS) confirmou esta quinta-feira que a vacina da AstraZeneca vai ser dada apenas a pessoas com mais de 60 anos. Quem já tomou a primeira dose deve “aguardar com calma”.

Tal como o JN tinha avançado, Portugal vai seguir os passos dados esta semana por países como Espanha e Holanda e vai impor uma restrição etária à vacina da AstraZeneca, passando a administrá-la apenas a pessoas com mais de 60 anos.

O coordenador da task-force, Henrique Gouveia e Melo, anunciou ainda que, na sequência desta alteração, a vacinação dos professores será adiada uma semana. No entanto, acrescentou, “o plano de vacinação não vai sofrer grandes alterações“.

Segundo o presidente do Infarmed, Rui Ivo, foram identificados em Portugal dois fenómenos tromboembólicos, só um com AstraZeneca. Nenhum deles resultou em morte.

Gouveia e Melo informou também que, neste momento, foram administradas em Portugal 400 mil vacinas da AstraZeneca e o país espera receber mais 1,4 milhões de doses. Já que no segundo trimestre a maior parte dos vacinados tem acima dos 60 anos, as restrições da AstraZeneca terão “impacto reduzido no ritmo de vacinação“.

A decisão surge depois de a Agência Europeia do Medicamento (EMA) ter admitido uma relação de causalidade (embora rara) entre a toma da vacina e a formação de coágulos no sangue duas semanas após a vacinação.

Durante a conferência de imprensa desta quinta-feira, Rui Ivo esclareceu que, segundo os dados da EMA, “acima dos 60 anos, não se identificou ocorrência destes fenómenos trombóticos”. “À medida que a idade avança, o risco de complicações da covid-19 aumenta e os riscos pela inoculação diminuem. Nos mais jovens, o risco de complicação da covid é mais baixo e pela inoculação da vacina da AstraZeneca é maior“, explicou, justificando assim a alteração de critérios nesta vacina.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, deixou ainda uma palavra de tranquilidade às pessas com menos de 60 anos que já tomaram a primeira dose da vacina, recordando que as reações adversas “são extremamente raras”.

No entanto, entre o 7.º e o 14.º dias após a administração da vacina, devem estar atentas a sintomas como dores de cabeça persistentes, hematomas, manchas vermelhas na pele e sintomias semelhantes a um AVC. Nestes casos, devem contactar de imediato o médico“, referiu.

Quanto às segundas tomas, acrescentou, Portugal “está a aguardar dados a nível europeu”.

Esta vacina tem um intervalo entre doses que é grande. Nestes três meses vamos ter informação adicional, quer da firma produtora, quer da Agência Europeia do Medicamento (EMA), e agiremos em conformidade“, assegurou.

A responsável da DGS aconselhou ainda os portugueses a manterem a confiança no processo de vacinação, garantindo que cada pessoa vai receber a vacina que lhe for mais adequada. “Ninguém pode escolher vacinas“, sustentou.

JN

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER