Mundo

Trump diz que “Jerusalém é a capital de Israel”

“Jerusalém é a capital de Israel”, declarou o Presidente norte-americano, Donald Trump. O anúncio histórico foi realizado na quarta-feira na Casa Branca.

“É o reconhecimento da realidade. É a coisa certa a fazer”, disse o líder dos Estados Unidos. Trump destacou que muitos presidentes prometeram a medida, mas que foi ele a cumprir.

A decisão é no melhor interesse dos EUA e da paz entre Israel e palestinianos, argumentou o líder norte-americano, numa declaração na Casa Branca.

Os planos para transferir a embaixada de Telavive para Jerusalém vão avançar imediatamente, frisou. O Departamento de Estado recebeu na quarta-feira uma ordem para iniciar os preparativos para a mudança.

A administração vai agora contratar arquitectos e empreiteiros para construir uma embaixada em Jerusalém que será um “magnífico tributo à paz”.

Donald Trump espera que esta decisão seja um “contributo para a paz” e defende um “grande acordo para israelitas e palestinianos”.

A decisão do Presidente norte-americano está a ser recebida com grande apreensão pela comunidade internacional.

Papa Francisco mostrou-se esta quarta-feira preocupado. “A este respeito, não posso calar a minha profunda preocupação pela situação que se criou nos últimos dias”, afirmou durante a audiência geral.

Minutos após o anúncio, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que “não há alternativa à solução de dois estados. Não há plano B. Vou fazer tudo nos meus poderes para apoiar os líderes israelitas e palestinianos no regresso a negociações significativas”.

Jerusalém, cidade disputada

O estatuto de Jerusalém é um ponto nevrálgico no conflito entre israelitas e palestinianos. A cidade abriga locais sagrados para judeus, cristãos e muçulmanos e o seu estatuto é uma das questões mais polémicas e ponto crucial nas negociações de paz.

Israel considera Jerusalém a sua capital eterna e indivisível. Mas os palestinianos reivindicam parte da cidade, Jerusalém Oriental, como capital do seu futuro Estado.

A posição da maioria da comunidade internacional é a de que o estatuto de Jerusalém deve ser decidido em negociações de paz e, por isso mesmo, os países mantêm as suas embaixadas em Telavive, a capital comercial de Israel.

Em 1947, quando a Assembleia Geral da ONU decidiu pelo plano de partilha da Palestina entre um Estado árabe e outro judeu, Jerusalém foi designada como “corpus separatum”, sob controle internacional, mas o plano não chegou a ser implementado, já que em 1948, foi declarada a Independência do Estado de Israel e, logo em seguida, surgiu a guerra entre árabes e israelitas.

Findo o conflito, Jerusalém foi dividida, com a parte ocidental sob controle de Israel e a parte oriental controlada pela Jordânia.

Em 1967, Israel capturou a parte oriental da cidade e, desde então, vem construindo colonatos em Jerusalém Oriental, considerados ilegais pela comunidade internacional.

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER