GTAComunidade

Cristina Fernandes: Uma luso-canadiana que dá cartas no mundo da publicidade

cristina fernandes - milenio stadium

 

Cristina Fernandes abriu em 2004 a Listen Harder com uma sócia. O objetivo era criar uma empresa de publicidade independente especializada em publicidade musical que fosse capaz de ajudar os artistas canadianos a lançarem-se na cena musical e quem sabe sonharem com uma carreira internacional. A luso-canadiana está habituada a trabalhar com artistas dos mais variados géneros, tanto jovens desconhecidos como os mais populares que somam prémios e reconhece que os dois grupos trazem desafios diferentes.

Questionada pelo Milénio Stadium sobre o talento dos artistas canadianos, Fernandes não tem dúvidas de que existe muita qualidade no mercado, mas avisa que isso não significa que todos vão ser os próximos “The Weeknd ou Justin Bieber” porque é necessária uma conjugação de fatores desde “talento, trabalho árduo e sorte”.
Para quem está no setor há quase 20 anos fica aqui a dica: “perseverança e dedicação” porque o sucesso pode não estar já ao virar da esquina. Recentemente Cristina Fernandes foi um dos nomes apontados na lista do Milénio Stadium como uma das influencers da comunidade luso-canadiana.

Milénio Stadium: Como é que surgiu a ideia para criar a Listen Harder e porquê este nome?
Cristina Fernandes: A Listen Harder foi oficialmente estabelecida em 2004 com a minha melhor amiga e parceira de negócios Jen Cymek. Na altura, ela estava na York University e estagiou na empresa de promoção com a qual eu estava a contratar e foi assim que nos conhecemos. Alguns anos antes de Listen Harder, eu estava a fazer uma promoção de rádio independente para uma editora indie e eles perguntaram-me se eu podia ajudar com a publicidade nacional para a sua lista. Percebi logo que gostava de fazer publicidade porque como publicitários trabalhamos de perto com o artista o seu lado mais criativo. Quando comecei a trabalhar com os Alexisonfire, no início de 2003, contratava talentos indie e o meu nome empresarial era Cristina Fernandes Publicity. A primeira editora dos Alexisonfire, Distort Records, tinha a tag line “Listen Harder” desde que assinaram uma grande quantidade de música pesada. Achei que era um grande jogo de palavras. O termo foi cunhado por Mitch Joel, que na altura era co-proprietário da editora, pelo que lhe perguntei se não se importava que eu o usasse como nome de empresa e ele disse para irmos em frente, e por isso vou ser eternamente grata porque não consigo imaginar um nome melhor.

MS: Já teve a oportunidade de trabalhar com artistas Juno, Grammy e Platina. Diria que é mais desafiante trabalhar com jovens talentos do que com os mais velhos?
CF: Essa é uma grande questão e a resposta honesta é: depende. Pode ser um desafio trabalhar com alguns artistas mais jovens ou novos, porque podem ter expectativas irrealistas sobre o tipo de imprensa que deveriam estar a receber. Para os artistas menos conhecidos, plantar sementes é fundamental. A criação de bases leva tempo, muitas vezes anos e muitos lançamentos musicais para construir um “perfil mediático”. Penso que é importante ter uma conversa com um novo artista para que compreendam que não se pode simplesmente colocar uma música no Spotify e esperar que seja apresentada numa revista de música. Por outro lado, um artista mais novo pode ser mais entusiasta e aberto a fazer imprensa que os artistas mais antigos não querem fazer.
Aqueles mais experientes e estabelecidos são mais fáceis de angariar imprensa e normalmente têm uma equipa de gestão que facilita o meu trabalho e coordena entrevistas. Eles têm também experiência de navegação em entrevistas e aparições nos meios de comunicação. Mas por vezes há artistas que podem ter sido grandes “no passado” e têm expectativas irrealistas sobre o quanto os media se preocupam com eles agora. Isso pode ser um desafio porque nas suas mentes ainda são estrelas de rock e têm uma grande base de fãs, mas isso não significa que os jornalistas especialistas em música se preocupem em escrever sobre eles.
Com grupos como os Cancer Bats, com o qual trabalhamos de perto há cerca de 18 anos, tem sido sempre muito a ideia de “faça você mesmo”, mas grupos que costumavam trabalhar com grandes gravadoras e que agora estão a lançar música independente, estavam habituados a ter tudo feito e agora não têm a mesma perceção sobre como gerir o seu negócio. Isso também pode ser um desafio se estiver a fazer imprensa para um artista que tem um grande ego e ainda não faz ideia do que está envolvido no lançamento de um disco.

MS: Qual é a sua opinião sobre a música canadiana em geral e como é que acha que os artistas se podem afirmar na cena internacional?
CF: Há tanto talento incrível neste país em todos os géneros musicais. Infelizmente, nunca conseguiremos ouvir a maioria deles, porque é assim que a indústria é. É necessária uma combinação de talento, trabalho árduo e sorte. O cantor de R&B de Toronto Dylan Sinclair é um dos artistas mais jovens e novos que estamos a representar. Ele tem uma grande equipa e é extremamente talentoso. Acredito que ele pode ser o próximo Daniel Caesar e tem todos os elementos para se tornar uma estrela internacional. Isso significa que ele vai explodir em grande como o The Weeknd ou o Justin Bieber? Nunca ninguém poderá responder realmente a essa pergunta. Outro ponto é que pode ser um desafio para os artistas domésticos entrarem nos mercados mundiais. Pode ser um artista certificado em ouro ou platina no seu país de origem com vários êxitos radiofónicos e ainda ter dificuldades em chamar a atenção para a sua música noutros países. É realmente necessário perseverança e dedicação ao seu ofício.

MS: A maioria dos músicos hoje está em plataformas de streaming de música como o Spotify que não pagam propriamente bem. Acha que no futuro os artistas vão ser mais bem recompensados pelo seu trabalho?
CF: Não tenho muita conhecimento nesse lado do negócio da música, mas sei que houve muitos artistas em dificuldades durante a pandemia que só ganhavam dinheiro quando estavam em digressão. Adoraria ver um mundo onde artistas mais pequenos e talentosos que trabalham arduamente mas não ganham muito dinheiro com fontes de rendimento como as vendas de discos e os direitos de autor de airplay fossem compensados de forma mais adequada pela sua música.

MS: Qual deles é mais importante na indústria musical – talento ou trabalho árduo?
CF: Acredito que se trata sempre primeiro do talento, mas como sabemos, existem muitos artistas talentosos neste mundo de que nunca ouviremos falar. Ter pessoas boas e experientes que entendem como promover a música pode ajudar a levá-los ao próximo nível, mas tudo começa com o quão boa é a sua música, o quão talentosos e motivados eles são e definitivamente o quão arduamente trabalham para isso.

MS: A Cristina Fernandes foi uma das influencers escolhidas recentemente pelo Milénio Stadium. O que é significa para si esta nomeação?
CF: Fiquei honrada e francamente surpreendida por ser uma das escolhidas. Nasci em Portugal e ver a minha cara incluída ao lado de pessoas como Shawn Mendes e o meu amigo Sid Seixeiro, que respeito imensamente, foi bastante louco. Sinceramente, não me vejo como uma influencer, mas o meu sonho sempre foi trabalhar na indústria musical e não tinha nenhum modelo para seguir. A minha mãe pensava que eu era louca e queria que eu fosse advogada (risos). Estou muito orgulhosa do trabalho que a Listen Harder realizou até agora e se inspira outros jovens portugueses a perseguir o seu sonho de trabalhar na indústria da música isso deixa-me muito feliz. Atualmente o meu filho está a terminar a escola e trabalha em part-time para nós, mas seria ótimo tê-lo a trabalhar connosco um dia a tempo inteiro.

Joana Leal/MS

 

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER