ComunidadeBlog

“Se a pandemia não tivesse acontecido não teria escrito algumas das melhores músicas da minha vida”

lucas silveira6 - Milenio Stadium

 

A carreira de Lucas Silveira começou quando ele criou a banda The Cliks, em 2004. A sua música foi apresentada na série lésbica “The L Word” e dois anos mais tarde Silveira fez história quando se tornou no primeiro homem transexual a assinar com uma editora discográfica. Quinze anos depois o vocalista, guitarrista e compositor lamenta que a indústria ainda continue a ser “heteronormativa”.

Em junho deste ano e depois de uma pausa de nove anos, o luso-canadiano lançou o álbum “The Goddamn Flowers” que garante ter “algumas das melhoras músicas da sua vida”. Recentemente Lucas Silveira foi um dos nomes apontados na lista do Milénio Stadium como um dos influencers da comunidade luso-canadiana.

Milénio Stadium: Como é que surgiu a ideia de criar os The Cliks em 2004?
Lucas Silveira: Estava cansado de que as pessoas me vissem como uma artista folclórica lésbica. Sentia a minha identidade tão distante de quem eu era que não suportava estar focado dessa forma. Criei os The Cliks para poder estar numa banda como um colectivo e não como o único foco. Foi também, penso eu, um movimento subconsciente para me assumir como trans. A minha composição estava a progredir para um som rock mais duro e, por alguma razão, ajudou-me a sentir mais dentro da minha masculinidade. Não porque o rock é uma forma de arte masculina, mas porque se sentia mais próximo de quem eu era. E essa parte de mim estava ligada à minha própria masculinidade.

MS: O Lucas foi o primeiro transexual a assinar com uma grande editora discográfica. Acha que a indústria está agora mais bem preparada para abraçar transexuais?
LS: Desde que assinei em 2007 que a editora não voltou a assinar com nenhum outro artista transexual. Por isso será que eles estão preparados para abraçar pessoas trans? Não, não estão porque não procuram ativamente para assinar com pessoas transexuais. Há muitos artistas trans incríveis por aí que deveriam estar nas grandes editoras, não é porque o talento não existe. É que as grandes editoras dão prioridade à heteronormatividade porque acreditam que não podemos fazer-lhes dinheiro, mas estão errados. Tudo o que precisam é fazer marketing adequado e fazer com que o artista seja ouvido. Mas isso parece estar longe de ser um compromisso neste momento.

MS: Qual é o seu papel favorito – vocalista, guitarrista, ou compositor?
LS: Eu seria cantor/compositor. Identifico-me mais como compositor do que qualquer outra coisa e parte disso é criar belas melodias vocais que combinam com a música. Elas andam de mãos dadas. Se eu pudesse passar o resto da minha vida a ganhar a vida como compositor seria um homem feliz.

MS: Em 2021 foi-lhe diagnosticado com transtorno esquizoafetivo, uma combinação de depressão com esquizofrenia paranoica. Como é que tem sido viver com esta doença?
LS: Bem, antes de ter sido diagnosticado e não ter ideia do que estava a acontecer, podia facilmente dizer que me sentia como se estivesse a viver o inferno na terra. Perdi tantos amigos devido ao meu comportamento e ninguém, incluindo eu próprio, sabia o que estava a acontecer.
Tudo se desmoronou no verão passado quando eu já estava no auge da minha paranoia e depois fui atacado aleatoriamente na rua e, como já disse a muitos que me conhecem, partiu-me o cérebro e foi para um lugar agudo ou ferido onde até eu podia agora dizer que era um perigo para mim mesmo. Estranhamente, foi esse ataque e o resultado subsequente que me levou a admitir-me na CAMH (Centro de Adição e Saúde Mental), onde o meu diagnóstico formal foi finalmente feito.
Comecei logo a tomar medicamentos, mas a consciência das minhas ações após os medicamentos terem entrado, finalmente, caiu num lugar onde compreendi porque é que as pessoas me tinham abandonado. Tinha-me tornado uma pessoa que pensava que todos estavam contra mim, mentindo-me, tentando prejudicar-me e mesmo alguns, eu acreditava que estavam a tentar matar-me. Mas não disse a ninguém a imensidão das minhas ilusões por causa da natureza da esquizofrenia, que é o facto de ter crenças inabaláveis e se alguém tenta convencê-lo do contrário, pensa que está metido nisto. Por isso, deixa de dizer às pessoas.
As pessoas perguntam-me como é que eu não sabia que algo estava errado e a resposta é sempre “É isso que a esquizofrenia é. A incapacidade de ver a realidade a partir de ilusões psicóticas”.
Por isso, passei um mau bocado quando estava a tentar recompor-me porque algumas pessoas se recusavam a acreditar que eu estava doente. Perdi um amigo de 24 anos que me disse que estava a usar uma doença mental para desculpar o meu mau comportamento. Essa é a parte que mais dói. Consigo compreender as pessoas que deixam a minha vida por causa da dor que lhes causei na psicose, mesmo que eu não tivesse controlo sobre ela. Mas dizer a alguém diretamente que foi diagnosticado por profissionais de saúde mental e eles dizem-lhe que está a mentir? Bem, é por isso que o estigma para esta doença mental continua a existir. Sei que esta é uma resposta longa, mas este não é um tema simples. Estou agora no que é considerado esquizofrenia residual, o que significa que o diagnóstico ainda se mantém, mas com a medicação, já não tenho os sintomas. Terei de os tomar para o resto da minha vida e isso é difícil de aceitar por vezes, mas estou mais do que grato por estes medicamentos existirem. Não creio que estaria vivo sem eles.

MS: Em junho lançou um novo álbum – “The Goddamn Flowers” -, que diz ser a maior realização da sua vida.
LS: Escrevi estas músicas ao longo dos últimos nove anos e a maioria delas foram escritas durante a pandemia. Era suposto eu entrar em estúdio para gravar o álbum duas semanas depois do início da pandemia e, na altura, fiquei incrivelmente triste com isso, mas a realidade é que se a pandemia não tivesse acontecido não teria escrito algumas das melhores músicas da minha vida.
Também escrevi muitas destas músicas enquanto estava num estado de psicose e falo disso porque as pessoas pensam que a psicose significa alguém a falar sozinho e a gritar e a delirar na rua, e sim, isso é um tipo de psicose mas, como definição geral, psicose significa um estado de perda de contacto com a realidade. A minha perda da realidade era ter crenças falsas. Assim, apesar de ter sido consumido pela paranoia, ainda estava bastante funcional no exterior. Era a minha mente que estava em caos. E isso é fácil de esconder.
As músicas deste álbum são as mais vulneráveis que alguma vez escrevi e muitas vezes fico espantado como consegui realmente fazer um álbum quando estava no meu pior, mas tinha um produtor extremamente talentoso, Jason LaPrade, e ele era a alma mais gentil durante o tempo em que eu precisava dessa energia gentil. Demorou mais de um ano a terminar porque os regulamentos da COVID-19 nos colocavam de novo no isolamento, mas mais uma vez, foi uma bênção disfarçada porque me permitiu a mim e ao Jason sentarmo-nos com as músicas e permitir-lhes respirar na perfeição sem apressar o processo. Não voltarei a gravar um álbum dentro de um mês. É um desperdício de possibilidades que só pode vir com o seu tempo.

MS: Como é que se relaciona com a cultura portuguesa?
LS: Nasci em Toronto, e sou canadiano, mas digo sempre que sou português. Sou barulhento, apaixonado, interrompo as pessoas quando estão sempre a falar e demorei muito tempo a perceber porque é que as pessoas ficavam tão irritadas. Numa casa portuguesa, se não gritarmos por causa das pessoas ou interrompermos as pessoas, nunca seremos ouvidos! Tive de refrear o meu comportamento e modificá-lo para a cultura canadiana, mas se me encontrarem numa casa de familiares vou voltar a ser o gajo detestável dos Açores.
Sinto-me mais em casa com outros portugueses e principalmente com a minha família. Tenho uma grande família alargada e fui criado com os meus primos e eles são os meus melhores amigos. A nossa cultura é uma parte enorme da minha identidade e adoro tudo sobre ser português. A sensação de que se encontrarmos outra pessoa portuguesa, o fado e a comida. As natas. E poderia continuar por aí fora…

MS: Recentemente foi um dos influenciadores escolhidos pelo nosso jornal. O que significa para si esta nomeação? Qual é a sua mensagem para a comunidade portuguesa?
LS: A nomeação significa tanto para mim, não só porque sou português e orgulhoso, mas também porque significa muito para mim ser aceite como sou, em tudo o que sou. Sendo transexual não significa que seja excluído e que me sinta visto. E a minha mensagem à minha comunidade portuguesa é de agradecimento. Obrigado por me ajudarem a tornar-me nas melhores partes de mim mesmo e por estar onde o meu coração está e ser aceite na minha verdade.

Joana Leal/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER