Comunidade

Adeus, Dona Francelina Torres

“Cada vez que morre um idoso, perde-se uma biblioteca”. (provérbio indiano)

Foi meu privilégio ter conhecido a Dona Francelina Torres e nos termos tornado amigas. Gostava muito de passar horas a conversar com ela, ouvi-la falar dos seus tempos de criança em São Miguel, do seu amor pela aprendizagem, pela escola que a fascinava e que, há 96 anos, não era acessível a meninas como ela.

Adeus, Dona Francelina Torres-us-mileniostadium
Crédito: DR.

Aprendeu, com o tempo, a ler e a escrever o suficiente para folhear jornais, revistas e até livros. Era uma pessoa informada, que se interessava pelo que se passava no Canadá, em Portugal e, em particular, nos Estados Unidos, onde viviam dois filhos e noras, cinco netos e cinco bisnetos muito queridos. 

Viajava sozinha para a América, sem receio de não se conseguir fazer entender no seu limitado domínio do inglês. Fez a última viagem há dois anos, para comemorar os seus 94 anos. Quando lhe perguntei se não tinha medo de andar de avião, mudar de aeroporto, e perder-se no meio de toda aquela movimentação, ela respondeu, sorridente:  “Toda a gente é sempre muito simpática, toda a gente ajuda, e eu quero é ir ver os meus queridos enquanto puder”. 

A sua curiosidade, vontade de saber e inteligência ajudaram-na a dominar a tecnologia. Nos últimos anos, com menos mobilidade, passava muito tempo entretida no Facebook com o seu Ipad, que lhe abriu as portas da comunicação com a família nos Açores e nos Estados Unidos. Era uma entusiasta desta rede social, de que sabia tirar todo o partido, conversando com os amigos no Messenger, fazendo comentários a fotografias, e colocando muitos “gosto”. Encontrei-a em várias alturas no Cortejo do Dia de Portugal, na Casa dos Açores e na Procissão do Senhor Santo Cristo, a usar o seu Ipad para fotografar o que mais gostava. 

Para mim, a Dona Francelina simbolizava a minha mãe distante, que não podia ver com a desejada frequência.  Levei várias vezes as minhas netas a sua casa para lá passarem um bocadinho, e estas adoravam visitá-la. Nem uma única vez em que as convidei a ir tiveram qualquer hesitação – iam sempre entusiasmadas. Sentiam o carinho, a alegria dela e isso fazia-as querer voltar.

Eu atribuo a minha profunda admiração pelos mais velhos ao facto de ter nascido e crescido numa aldeia, ter convivido com pessoas de idade desde pequenina e aprendido a respeitar os saberes dessas pessoas.  Percebi muito cedo que as experiências da vida dão conhecimentos que nenhuma escola pode dar e que, ao ouvirmos aqueles que viveram mais anos do que nós, aprendemos muito, pois eles são como livros abertos. 

Vou sentir muito a falta da minha amiga e professora Francelina Torres. Ficarão na minha lembrança a sua alegria, otimismo e gosto pela vida. Tenho a certeza de que envelhecer rodeada de amor dos seus três filhos, noras queridas, restante família e amigos foi fundamental para a vida plena que teve. 

Adeus, amiga Francelina, já sinto saudades.

Manuela Marujo

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER