Editorial

Ventos de Guerra

Ventos de Guerra-us-mileniostadium
Cartoon by Stella Jurgen

Com os ventos frios a varrerem o solo canadiano somos abraçados por um sentimento de incerteza em relação às nossas vidas. Mais do que nunca, permanecem questões sobre o que o amanhã nos trará, a incerteza está na ordem do dia e a frustração está a afetar a maioria dos que sentem que não estão a ser liderados de forma adequada e não estão a ser esclarecidos pelos órgãos políticos. Os níveis de frustração estão a atingir o seu auge, à medida que os cidadãos estão a desprezar a liderança política e estão a tomar medidas pelas próprias mãos. Queixas que antes não passavam de aborrecimentos do coração tornaram-se, para muitos, decisões entre a vida e a morte. Para muitos, colocar comida na mesa e proporcionar qualidade de vida tornou-se impossível e sem alternativas para uma situação melhor no futuro. O mundo está num estado caótico e, de muitas formas, as atitudes sugerem que é cada um por si, sem consideração pelos seus vizinhos. 

A OMS pediu ao Canadá que partilhasse as vacinas com países mais pobres e o Canadá recusou. E porque é que um país como o Canadá deveria dizer sim antes de olhar pelos seus próprios cidadãos? Estaremos melhor posicionados para ajudar, tal como outros países fortes e democratas, depois de estarmos economicamente estáveis, aí poderemos partilhar a nossa riqueza. Infelizmente a democracia transformou-se a ela própria numa forma de governar através de leis de emergência, atribuindo poder a indivíduos intelectualmente inferiores a quem lhe falta um treino adequado na administração dos seus cidadãos. Porém, este é o tipo de pessoas que atraímos para o sistema político. 

Existe uma guerra no vento. É uma guerra que será disputada para preservar ideais e conquistar aspirações futuras. Quem irá disputar esta guerra? Todos aqueles que se importam com o mundo em que vivem e com a qualidade da sustentabilidade que visualizam. Esta guerra não será uma de anarquia, mas sim de desgaste, onde as vítimas serão os nossos líderes políticos. Como pagamento por erros e pela governação fraca serão tratados com dureza por aqueles que são suficientemente inteligentes para fazer o seu voto valer. Sem contar com os regimes que tornam os seus cidadãos subservientes e desprovidos de oportunidades para se fazerem ouvir, as democracias no mundo estão a viver um falso sentido de segurança. Por toda a parte está a espalhar-se uma corrente de raiva que, num futuro não muito distante, irá ferver até à superfície. A insurreição será carregada pela gente comum. Abanem a cabeça aqueles que acreditam que a manifestação no edifício do Capitólio nos EUA foi um ataque à sociedade livre. Esta foi uma mensagem para o sistema político estar ciente de que as vozes das pessoas têm de ser ouvidas. Por mais que o protesto tenho sido um sinal do quão revoltadas estão as pessoas e de que certas vozes não estão a ser ouvidas, foi um dia histórico em que os cidadãos se apoderaram de parte do país que construíram e disseram “chega”. Foi um mau dia que tinha de acontecer e a guerra de sedição continuará em muitas frentes.

Os últimos dias, ao caminhar por Lisboa, têm desafiado o sentido sobre aquilo que o mundo se tornou. Embora existam muitos rostos de insubordinação, existem muitos outros de resignação percebendo que as coisas só irão piorar. São poucos aqueles que se sentam ao colo de Fernando Pessoa para tirar uma fotografia e a cada esquina notas de música vazias, onde um chapéu no chão é a esperança da próxima refeição. Este é o pano de fundo de onde os ventos de guerra irão surgir. Somos todos iguais, mas alguns mais que outros. A pobreza e o desespero podem ser o que os ventos frios carregarão para as nossas almas e talvez decidindo que a vida não é assim tão importante. Talvez não seja assim tão triste ir para um lugar onde, eternamente, ninguém nos julgará e estaremos em paz. Olhei para o rosto cansado e preocupado da minha mãe, para os olhos vazios do meu sogro que, repentinamente, na quarta-feira decidiu que não havia mais nada para dar a esta vida e recebi a notícia da morte da querida mãe da Maria do Carmo e, de repente, percebi que, se não tivermos cuidado, as notas musicais vazias a subir e descer as ruas do Chiado serão o futuro para todos nós.

Tanto para a Maria, quanto para a Cristina – choramos com vocês as vossas perdas.

Fique bem na sua guerra.


Winds of war-us-mileniostadium
Cartoon by Stella Jurgen

Winds of war

As the cold winds sweep across the Canadian soil a feeling of uncertainty about our lives embraces us. More than ever questions remain about what tomorrow will bring as uncertainty is the order of the day and frustration is taking over most who do not feel properly led and enlightened by the political establishment. The levels of frustration are reaching the boiling point as citizens are saying the hell with political leadership and are taking activism into their own hands. Grievances that previously were nothing more than annoyances of the heart have now become full fledged life and death decisions for many. Putting food on the table and providing a livable quality of life has become impossible for many with no alternatives for an improved situation in the near future. The state of the world has become chaotic and in many ways attitudes suggest that it’s each for themselves without consideration for their neighbours. The WHO has asked Canada to share vaccines with poorer countries and Canada said no. And why should a country like Canada say yes before it looks after its own citizens? We will be better positioned to help, as all other strong and democratic countries will, after we are economically stable so we can share our riches. Unfortunately democracy has transformed itself into a form of governance by emergency laws which give power to intellectually inferior individuals who lack proper training in the administration of its citizens. But that’s the type of people we now attract into the political system. 

There is a war in the wind. It’s a war that will be fought to preserve ideals and to achieve future aspirations. Who will fight this war? Everyone that cares about the world they live in and the quality of sustainability they visualize. The war will not be one of anarchy but one of attrition where our political leaders will be the victims. Payment for errors and poor governance will be dealt harshly by those intelligent enough to make their vote count. Discounting the regimes who make their citizens subservient and devoid of opportunities to make their voice count, democracies in the world are living a false sense of security. An underplaying current of anger is permeating throughout which will boil to the surface in the not to distant future. Who will carry the insurrection will be common folk. For those who believe that the demonstration at the U.S. Capitol building was an attack on a free society, give your head a shake. This was a message to the political establiblishment to be aware that the voices of the people must be heard. As much as the uprising was a sign of how revolted people are and that certain voices are not being heard, it was an historical day as citizens took over a part of the country they built and said “enough is enough”. It was a bad day that needed to happen and the war of sedition will continue on many fronts.

Walking around Lisbon the past few days has provided a challenge to the senses about what the world has become. While that there are many faces of insubordination there are many more of resignation realizing that things will only get worse. There are very few sitting on Fernando Pessoa’s lap to take a photo and empty music notes at every corner where a hat on the ground is the hope for the next meal provides a background of where the winds of war will come from. We are all equal but some more than others. Poverty and hopelessness may be what will carry the cold winds into our soul and decide that maybe life is not that important. Going to a place where no one will judge forever more and will be at peace may not be so bad. Looked into the tired and worried face of my mother, got to look the empty eyes of my father-in-law who suddenly on Wednesday (13) decided there was nothing left to give and got the news of the death of the dear mother of Maria do Carmo and suddenly realized that the empty musical notes running up and down the streets of Chiado will be the future for the rest of us if we are not careful. To both Maria and Cristina we cry with you for your losses.

Be well in your war.

Manuel DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER