EditorialBlog

Um Planeta Doente

O mundo está a arder e a afogar-se. Embora estes dois factos opostos pareçam anormais, eles andam lado a lado no que diz respeito ao motivo pela qual as alterações climáticas se tornaram a palavra-chave do século. As condições atmosféricas alteram as tentativas de adaptação da população, mas quando os desastres ocorrem e afetam diretamente as nossas vidas, é necessário reconhecer que o mundo ultrapassou um limiar de mudança insustentável que poderá não ser reversível. As manchetes mais recentes evidenciam um microcosmo de condições que abrangem um planeta que parece estar fora de controlo.

Um Planeta Doente-editorial-mileniostadium
Cartoon by Stella Jurgen

“Mares quentes mantêm os furacões fortes”

“Ladrões na Califórnia roubam água escassa perante seca extrema”

“Os fogos selvagens de BC duplicaram desde o ano passado”

“580 morrem em BC devido a onda de calor”

“900 evacuados devido aos fogos florestas na Sardenha”

“Chuvas devastam áreas da Alemanha e Bélgica”

Estas são apenas algumas das manchetes no meio de uma quantidade inumerável de desastres que afetam a nossa terra. Quem é responsável pela calamidade dos desastres causados pelas alterações climáticas? A resposta é simples – Eu e Você. Num mundo de superabundância e desrespeito por aquilo que realmente precisamos, cada um de nós enche sacos plásticos que de alguma forma desaparecem das nossas vidas, sem pensar de onde vem o lixo ou para onde vai. Mesmo se a humanidade parasse de emitir gases efeitos de estufa já amanhã, a Terra iria aquecer durante os próximos séculos e o nível de água dos oceanos iria subir vários metros. Imagine as cidades em áreas costeiras e as consequências catastróficas na vida das pessoas se o nível da água dos oceanos continuar a subir. Provavelmente é pouco sensato sugerir que as alterações climáticas são totalmente da responsabilidade do Homem, tendo em conta que o mundo sofreu oscilações nas condições atmosféricas ao longo da sua vida; contudo, ao avaliar as medidas destrutivas e o apetite por produtos que contribuem para a celeridade da poluição, as forças destrutivas resultantes das mudanças climáticas são evidentes. Hoje, a superfície terrestre está 1.2ºC mais quente do que estava em meados do século XIX, quando as temperaturas começaram a subir. Embora não pareça significativo, o aumento continuo da temperatura será cataclísmico para a existência de futuras gerações. 

Milhares de cientistas têm vindo a alertar que o ponto de inflexão está iminente. Apesar de o Acordo de Paris declarar que deveríamos atingir um nível neutro de carbono até 2050, vários dos maiores produtores de CO2 não estão alinhados com o resto do mundo e, portanto, exibindo uma abordagem irresponsável, o que é uma falta de respeito para com a humanidade. A diminuição do uso de combustíveis fosseis, a desflorestação, e a mudança das fontes de energia para energias limpas e renováveis é sempre vendida como a solução para parar o comboio que nos leva para um fim desastroso. No entanto, nada será conquistado ou implementado sem a cooperação dos seres humanos que atualmente desfrutam do melhor que o mundo tem para oferecer, sem considerar as futuras consequências. Os criminosos climáticos irão sempre existir, concentrando-se na rentabilidade à custa do sofrimento humano.

Como seriam os diferentes níveis de aquecimento global? A maioria de nós vive o dia a dia sem pensar nos avisos que estão perante os nossos olhos.

Se, globalmente, as temperaturas subirem mais de 2ºC, afetarão o sistema global de circulação dos oceanos, o que ajuda a distribuir o calor pelo mundo e determina o padrão climatérico regional. A floresta tropical irá transformar-se numa savana, iremos assistir ao colapso ou alteração dos padrões de chuva no Sul e Sudeste Asiático e a desintegração dos mantos de gelo do Ártico ou Antártida farão com que grandes quantidades de metano sejam libertadas devido ao degelo da superfície. Outras consequências podem variar desde a expansão de desertos ao colapso de terras cultiváveis. Ilhas como as Maldivas estariam cobertas de água. São factos assustadores que requerem uma reflexão séria. A Terra é o único local onde podemos viver, e continuamos no nosso caminho nocivo de autodestruição. Está na altura de parar e pensar sobre aquilo que poderemos fazer para sermos socialmente responsáveis e garantir a sobrevivência do mundo. Vamos parar de danificar o local onde vivemos e de ignorar o facto de que a Terra não existe apenas para nós. Vamos promover a conservação e parar as nossas expetativas desmesuradas e servidão ao excesso.

Fique bem.

Manuel DaCosta/MS


Version in english

Sick Planet

The world is burning and drowning.  While these two opposing facts appear abnormal, they go hand in hand as to the reason climate change has become buzzwords of this century. As atmospheric conditions change populations attempt to adapt, but when disasters occur which directly affect our lives, recognition is necessary that the world has crossed a threshold of untenable change which may not be reversible.  The recent headlines show a microcosm of conditions encompassing a planet which appears to be out of control.

Um Planeta Doente-editorial-mileniostadium“Warmer seas keep hurricanes stronger”

“Thieves in California are stealing scarce water amid extreme drought”

“BC wildfires more than double from a year ago”

“580 die in BC due to heat wave”

“900 evacuated in Sardinia wildfires”

“Rains devastate areas of Germany and Belgium”

These are but a few recent headlines amid a myriad of disasters affecting our earth.  Who is responsible for the calamity of disasters caused by climate change?  The answer is simple – You and I.  In a world of overabundance and disrespect for what we really need, each of us fill garbage bags which somehow disappear from our lives without giving a thought about where the garbage came from or where it’s going. Even if humanity stopped emitting greenhouse gases tomorrow, Earth will warm for centuries to come and oceans will rise by meters.  Imagine cities along ocean coasts and the catastrophic consequences on people’s lives if the ocean levels continue to rise. To suggest that climate change is all man-made is probably unreasonable as the world has experienced fluctuation in atmospheric conditions over its lifetime; however, when assessing the destructive measures and glutenous appetites for products which are creating pollution acceleration, the resulting destructive forces of climate change are evident. Earth’s surface today is 1.2°C hotter than it was in the mid-19th century when temperatures began to rise.  While this doesn’t appear to be significant, continued temperature rising will be cataclysmic for the existence of future generations.

Thousands of scientists are warning that tipping points are imminent.  While the Paris accord says that we should be carbon neutral by 2050, many of the highest producers of CO2 are not aligned with the rest of the world thus showing an irresponsible approach which disrespects humanity. Decreasing the use of fossil fuels, deforestation, and changing energy sources to clean and renewable energy is always touted as the solution to arrest the train taking us to a calamitous end.  However, nothing will be achieved or implemented without the co-operation of human beings who currently savour the best the world can offer regardless of future consequences.  Climate criminals will always exist concentrating on profitability at the cost of human suffering.

What would different levels of global warming look like?  Most of us live day to day not giving a thought to the warnings before our eyes.

If temperatures rise globally beyond 2°C, it will affect the global ocean circulation system which helps distribute heat around the world and determines regional weather patterns.  Rainforest will turn to savannah, collapsing or shifting monsoon rain patterns, the disintegration of the Artic or Antarctic ice sheets and vast amounts of methane being released by thawing permafrost.  Other consequences could range from the spread of deserts to the collapse of farmable land.  Islands such as the Maldives would be covered by water. Scary stuff which requires serious thinking.  Earth is the only place we can live in, and we continue our ruinous path of self-destruction.  Time to pause and think about what you can do to be socially responsible to ensure that the world survives.  Let’s stop crapping where we live and ignoring the fact that the earth doesn’t just exist for us.  Let’s promote conservation and stop our glutenous expectations and enslavement to excess.

Be Well.

Manuel DaCosta/MS

 

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER