Editorial

Um assunto de família

 

familia - editorial - milenio stadium

 

A pandemia da Covid-19 tem sido um disruptor severo da unidade familiar. A falta de conexão com famílias e amigos, criou vazios e/ou angústias devido à falta de comunicação ou às consequências negativas dos confinamentos nas nossas próprias casas onde os nossos aborrecimentos uns com os outros ficaram ainda mais expostos. Muitos consideram que a pandemia terminou e que não se trata mais da doença, mas sim do medo. As pessoas estão a tentar se reconectar, mas o dano está feito e talvez nunca consigamos encontrar uma cura para a loucura que atualmente aflige o mundo e, por extensão, as suas estruturas familiares.

O conceito de família pode ser definido como uma unidade social básica composta por pais e filhos como um grupo, quer vivam juntos ou não. Todos viemos de algum lugar e nascemos num lar. Esse lar muitas vezes define quem somos e onde está o nosso coração. O lar não é uma casa, mas é onde a consciência do seu ser é armazenado. Um lar desfeito não é uma estrutura destruída, mas sendo o alicerce de uma família derrubado, todas as promessas de tranquilidade e amor são dissipadas. O desperdício de um lar e toda a consciência dentro dele não pode ser recuperado e restabelecido, criando um vazio e uma perda para todos os participantes que contribuíram para essa extinção.

Atualmente, as unidades familiares estão a ser desafiadas mais do que nunca, tanto economicamente como sendo o resultado de consequências mundiais. O silêncio sobre os problemas dentro dos seus lares diz muito sobre as pressões de manter as famílias unidas, especialmente com os desafios impostos aos baby boomers pelas gerações mais jovens. O alvoroço sobre as memórias do príncipe Harry é absurdo, visto que a guerra familiar que se vê sempre existiu dentro das unidades familiares, principalmente das mais abastadas.

É verdade que trazer os detalhes escandalosos dos desafios familiares não é considerado o ideal, mas de que outra forma se pode criar uma discussão sobre a realidade na qual milhões de famílias se revêm com brigas todos os dias?

As identidades culturais estão a implodir devido à polinização cruzada, e aqueles que se colocam no topo do estatuto cultural e pensam secretamente que pertencem a uma raça superior, mordem os dentes ao observar o mundo a alterar-se diante dos seus olhos.

A monarquia britânica é um exemplo de riqueza e privilégio que não se identifica com os cidadãos comuns, mas é sustentada por milhões de lacaios ignorantes que não conseguem ver através da névoa das suas próprias falhas de desigualdade social. Não podemos ser subordinados a classes bilionárias privilegiadas com pouquíssima consciência e que levaram uma classe média para o asilo.

As guerras familiares vão aumentar à medida que as pressões financeiras persistem. Os Milennials consideram a Gen X desagradável e os Boomers consideram os Milennials absurdos e oportunistas, que só se interessam em encontrar a sua liberdade na terra enquanto esperam que os seus pais morram.

Os mais jovens sempre confundiram os mais velhos e os jovens de hoje não são diferentes. Têm carteiras vazias, mas gostos dispendiosos. Querem ser autênticos sem contribuírem de forma significativa para o progresso da sociedade, mas vão definir a próxima era de consumismo enquanto os baby boomers continuam a sustentá-los e à economia.

A Generação Z e os Millenials representam um terço da população e a soma dos seus gastos em 2021 era de $2.7 triliões, ou seja, cerca de 30% do total de gastos. O dinheiro vem de onde? E porque é que estão constantemente a mencionar que não têm dinheiro? Um relatório da McKinsey, publicado em 2022, descobriu que um quarto da Geração Z duvida que será capaz de se aposentar e menos de metade acredita que algum dia terá a sua própria propriedade. Sendo assim, onde vão morar? Talvez com os seus pais, a obrigarem-nos a adiar os seus planos de reforma e a oportunidade de gozar dos frutos do seu trabalho.

Na França, os protestos sobre as pensões de reforma continuam porque o governo quer aumentar a idade de 62 para os 64 anos. Mais dois anos! Poder-se-á dizer que não foi feito um planeamento e que as pessoas dependem apenas dos rendimentos do governo? Não admira que os planos de reforma dos governos vão à falência nos próximos anos à medida que a população envelhecida não consegue ser amparada pela preguiça das gerações mais novas.

Os aquários que as famílias são hoje poderiam ser toleráveis se o respeito e a humildade fossem inseridos no lar. As crianças são o que os pais lhes mostram.

O mundo só pode ser melhor com bons pais que entendem a sociedade e contribuam para ela de forma significativa. Vamos parar com a cobardia dos pais e liderar a partir de uma posição de força.

Editorial in english

A matter of family

The Covid-19 pandemic was a severe disruptor of the family unit. The lack of connectivity of family and friends created voids and/or angst because of lack of communication or the negative consequences of closures inside our homes where our annoyances with each other were further exposed.

Many consider the pandemic to be over and that it is no longer about the disease but about fear. People are attempting to reconnect but the damage is done and we may never be able to find a cure for the madness currently afflicting the world and by extension, family structures.

The concept of family can be defined as a basic social unit consisting of parents and their children as a group, whether they live together or not. We all come from somewhere and were born in a home. That home often defines who we are and where our heart is.

Home is not a house but it’s where the consciousness of your being is stored. A broken home is not a destroyed structure but a family’s foundation being overturned and all promises of tranquility and love being dissipated. The squandering of a home and all the consciousness within it cannot be recovered and put together, creating hollowness and loss in all participants that contributed to the extinction.

Today’s family units are being challenged more than ever, economically and by world consequences. The silence of many about the problems within homes speaks volumes about the pressures of keeping families together, particularly with the challenges being thrust upon baby boomers by the younger generations. The fuss over Prince Harry’s memoir is absurd, given that the familial war being observed has always existed within family units, particularly those with money. True that bringing the salacious details of family challenges is not considered to be ideal but how else do you create discussion about the reality of what millions of families are fighting about each day? Cultural identities are imploding because cross-pollination while those who place themselves atop the cultural ladder and secretly think they belong to a superior race gnaw their teeth in observing the world changing in front of their eyes. The British monarchy is an example of wealth and privilege who do not identify with common citizens but are supported by millions of ignorant minions who cannot see through the fog of their own failures of social inequality.

We cannot be subordinates to classes of privileged billionaires with very little conscience and who have taken a middle class to the poorhouse. Family wars will accelerate as financial pressures persist. Millennials find Gen X’s disgusting and Boomers find Millennials absurd while Boomers find Millennials opportunistic who are only interested in finding their freedom on earth while waiting for their parents to die.

Young people have always confused their elders and today’s youngsters are no different. They have thin wallets and expensive tastes. They want to be authentic without contributing in any meaningful way to the progression of society, but they will define the next era of consumerism while baby boomers keep supporting them and the economy. Gen Z and Millennials are about a third of the population and the amount of spending in 2021 was $ 2.7 trillion or around 30% of total spending. Where is this money coming from and why are they always suggesting they have no money? A report by McKinsey published in 2022 found that a quarter of Gen Z’s doubted they would be able to afford to retire and less than half believe they will ever own a home. So, where will they live? Perhaps with their parents forcing them to postpone their plans for retirement and enjoyment of the fruits of their labour. In France, protests about pension reforms continue because the government wants to increase the age from 62 to 64. Two years more! Could it be that no planning was done and people only depend on the government for income? No wonder countries’ pension plans will go bankrupt in the next few years as aging populations can’t be supported by the laziness of younger generations.

The fishbowls that families are today could be made bearable if respect and humbleness was inserted in the home. Children are what their parents show them. The world can only be better with good parenting who understand society and contribute to it in meaningful ways. Let us stop parental wussiness and lead from a position of strength.

Manuel DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

O Facebook/Instagram bloqueou os orgão de comunicação social no Canadá.

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER