EditorialBlog

Cultura Cock-a-Doodle-Doo

Editorial

Cultura Cock-a-Doodle-Doo

Em novembro de 2017, a Câmara dos Comuns designou junho como sendo o mês da herança portuguesa, proporcionando aos canadianos a oportunidade de reconhecer, honrar e celebrar a contribuição da comunidade luso-canadiana para a vida social, cultural e económica do Canadá. Note que é uma “oportunidade para os canadianos”, não necessariamente portugueses, para compreenderem as contribuições feitas desde 1953 quando os imigrantes chegaram.

Cultura Cock-a-Doodle-Doo-toronto-mileniostadium
Cartoon by Stella Jurgen

Nas minhas viagens e interações com canadianos eram poucos, se alguns, os que tinham conhecimento dos aspetos comemorativos que o mês de junho representa para a cultura portuguesa. Principalmente porque é uma observância intelectual promovida com motivações políticas e para progresso por alguns que exigiam a sensibilização dos luso-canadianos em época eleitoral. Esta visão pessimista está enraizada no facto de nos últimos 18 meses a cultura ter sido arquivada para nunca ser ouvida por canadianos ou lusófonos, incluindo aqueles que são supostamente os mensageiros do bom de se ser português. Tornámo-nos numa sociedade culturalmente mórbida. Para onde foi toda a gente? Onde está a ACAPO, a Federação, a Câmara do Comércio, os Consulados e as Embaixadas? Os dentistas determinaram que as bocas fossem colocadas em confinamento até que o mundo normalize? Certamente que até lá ninguém saberá ou se irá recordar do que é a cultura portuguesa e a verdade e reconciliação da cultura podem levar a uma reconstrução dos nossos pensamentos e crenças inferiores, resultando no reforço da importância da perceção cultural.

O cultivo e manutenção de hábitos, crenças e tradições da cultura portuguesa é um trabalho em constante desenvolvimento no nosso dia a dia, ingerido em pequenas quantidades para não oprimir as tradições com que vivemos. Não praticar é esquecer que a sociedade espera que os seus cidadãos sejam verdadeiros a si mesmos no seu processo de pensamento e que garantam a passagem da herança cultural para os seus herdeiros.

Com milhares de cidadãos britânicos a invadir novamente Portugal (5,000 turistas esta semana), até parece que o mundo está a regressar à normalidade. Mas, estará? Alguma vez o mundo foi normal? A primeira pessoa portuguesa a viver no Canadá não tinha uma função importante. Mateus da Costa era o interprete de Samuel de Champlain com os nativos, no século XVI.

Hoje, os 500,000 que afirmam ter ascendência portuguesa, total ou parcial, celebram as suas raízes culturais, das quais são originários, com pouca paixão. Apesar de Portugal ter estado entre os mais pobres da Europa, ricos ou pobres, podia sentir-se o fogo interior da riqueza que a história proporciona à identidade.

É um facto que a Covid-19 impulsionou o encerramento de organizações culturais. Certamente que alguns, senão todos, estão com dificuldades para cumprir as obrigações financeiras tendo poucos rendimentos e sem ajudas do governo. Será que estes clubes e organizações irão regressar ao seu estatuto pré-pandemia? É pouco provável, mas devido às tendências regionalistas, as pessoas voltarão a saborear um pouco de Portugal, onde quer que esteja disponível. Não é a visão de futuro perfeita, mas com os Galos de Barcelos a serem colocados em alguns locais de Toronto, o “coricocó” vai garantir a sobrevivência da cultura luso.

Fique bem.


Culture Cock-a-Doodle-Doo

In November 2017, the Canadian House of Commons designated June as Portuguese Heritage month, providing Canadians an opportunity to recognize, honor and celebrate the Portuguese-Canadian community’s contribution to the social, economical and cultural life of Canada.  Note that it’s an “opportunity for Canadians” not necessarily Portuguese to understand the contributions made since 1953 when mass immigration began.

Cultura Cock-a-Doodle-Doo-toronto-mileniostadium
Cartoon by Stella Jurgen

In my travels and interactions with Canadians, few, if any, are aware of the celebratory aspects of what the month of June represents to Portuguese culture.  Primarily because it’s an intellectual observance promoted for political reasons and for advancement by some who require the awareness of Luso-Canadians at election time.  This pessimistic view is rooted in the fact that the past 18 months, culture was warehoused never to be heard from Canadians or Lusophones, including those who are purportedly the messengers of what is good about being Portuguese.  We have become a culturally morbid society.  Where did everyone go?  Where is ACAPO, Federation, Chamber of Commerce, Consulates and Embassies?  Dentists mandated that mouths be placed in lockdown until the world normalizes? Surely by then no one will know or remember what Portuguese culture is and the truth and reconciliation of culture may lead to a reconstruction of our inner thoughts and beliefs resulting in reinforcement that cultural perception matters.

Cultivation and maintenance of habits, beliefs and the traditions of Portuguese culture is constant work in progress in our daily lives, ingested in small amounts as not to overwhelm the traditions we live with.  To not practice is to forget that a society expects its citizens to be true to themselves in their thought processes and to ensure that an inheritance of culture is transferred to inheritors. As thousands of British citizens invade Portugal again (5,000 tourists this week), it would appear the world is returning to normalcy.  But is it?  Has the world ever been normal?  The first Portuguese person to have lived in Canada did not have an important role.  Mateus da Costa was Samuel de Champlain’s interpreter with the natives in the 16th Century.

Today the 500,000 Portuguese who claim full or partial ancestry celebrate their cultural roots with little passion, from which they originated.  Despite the fact that Portugal was long among the poorest in Europe, rich or poor can feel the fire within about the richness that history provides to our identity.

It’s a fact that Covid-19 provided an impetus for cultural organizations to shut down.  It is with certainty that some, if not all, are struggling to finance obligations with little income and no help from the government.  Will these clubs or organizations ever return to pre-pandemic status?  Not likely, but because of regionalist tendencies, people will return to savour a little bit of Portugal where available.  Not the perfect vision of the future but with the roosters of Barcelos being placed at some Toronto locations, the “coricocó” will ensure survival of Luso culture.

Be well.

Manuel DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER