Futebol

Bye bye Feirense! Welcome Paços de Ferreira!

Ainda será preciso jogar mais quatro jornadas para darmos este campeonato por concluído. No entanto, uma coisa já é certa – o clube de Santa Maria da Feira não conseguiu resistir às consecutivas derrotas e está oficialmente despromovido para a II Liga do futebol português.
Apesar disso, a vida continua… e os jogos também.

FUTEBOL – Sturgeon festeja golo durante o jogo V Guimaraes – Feirense relativo a 2 Jornada da I Liga. Estadio D Afonso Henriques em Guimaraes. Segunda, 20 de Agosto de 2018.

O tiro de partida desta 30ª jornada foi dado no passado dia 19, com os jogos do Tondela frente ao Boavista e do Vitória de Setúbal contra o Portimonense. Em Setúbal, não se foi além do empate – resultado que deixa ambas as equipas escassos pontos acima da linha de água.

Em Tondela, os anfitriões receberam e venceram o Boavista e conquistaram três importantes pontos para a sua permanência na I Liga – tudo isto graças a um autogolo de Sparagna, que surgiu aos 17 minutos. Apesar do marcador apenas apresentar 1-0 no final do jogo, existiram ainda mais três golos que acabaram anulados por Artur Soares Dias, com recurso ao VAR – dois do Tondela e um do Boavista.

No mesmo dia, os leões de Keizer deslocaram-se até à Choupana para bater o Nacional por 1-0 e somar a oitava vitória consecutiva. Num jogo em que Daniel Guimarães foi, por várias vezes, chamado a mostrar serviço é importante dar destaque à monumental “mancha” do guarda-redes que negou o golo a Diaby, numa jogada cara a cara. Uma grande exibição, sem dúvida. Apesar de alguns sustos provocados pelos madeirenses, o Sporting foi criando vários lances de perigo – nenhum deles, no entanto, certeiro. A intensidade que faltava nesta partida surgiu na segunda parte – os leões entraram decididos a fazer uma maior pressão nas jogadas de construção do Nacional e a estratégia acabou mesmo por dar frutos num lance de bola parada. Acuña bateu o livre da esquerda e Luiz Phellype só teve de encostar, de pé direito, ao segundo poste. Depois disso notou-se uma grande quebra na qualidade de jogo – o leão viu-se no terceiro lugar e decidiu “descansar”. Apesar de bem tentar, o Nacional criou situações que foram facilmente controladas pela linha defensiva leonina. A equipa madeirense, que apenas somou um ponto nas últimas seis jornadas, vê a sua situação complicar-se – é 17º, com 27 pontos.

A última partida do dia teve lugar em Guimarães – um estádio que já não assistia a uma derrota há três meses. Os avenses não tinham, também, histórico de vitórias neste campo e, portanto, nada se adivinhava fácil para a equipa visitante. O que é certo é que a estratégia desenhada por Inácio funcionou praticamente na perfeição – a mistura de mérito da equipa avense com um dos piores jogos da equipa vimaranense fez com que o resultado se fixasse em 0-2, quando soou o apito final. Os golos foram apontados por Derley, aos nove minutos, e por Baldé aos 67. Nada parecia correr bem aos vimaranenses nesta partida. Os adeptos, descontentes, fizeram-se ouvir, mostraram lenços brancos e a intranquilidade começou a sentir-se também na própria equipa. Aos 80 minutos tivemos um daqueles lances que até custa acreditar: Rochinha fez um passe em rotura, colocando Tozé na cara de Beunardeau. Vítor Costa conseguiu o corte, mas a bola – e a possibilidade de reduzir a desvantagem – acabou nos pés de Alexandre Guedes. Acabou, literalmente! Um enorme falhanço do avançado que, de baliza aberta, atirou ao lado.
A formação avense subiu ao 12.º lugar, ultrapassando três adversários de uma só vez.

Este resultado acabou também por ditar a descida dos fogaceiros à segunda divisão. Para acabar de atar os molhos, o “lanterna vermelha” ainda foi a Braga sofrer mais uma derrota. Os golos bracarenses foram apontados por Fransérgio (46’) e por Ricardo Horta (76’).

Quem não soube aproveitar a derrota dos vimaranenses foi o Moreirense que saiu derrotado do encontro caseiro frente aos flavienses, por 0-1, num golo apontado por Maras. Já o Rio Ave subiu ao oitavo lugar depois de vencer fora, por 3-1, o Belenenses. Dois golos de Bruno Moreira, um de Borevkovic e, já na fase final, Sasso reduziu a desvantagem.

No estádio do Dragão, Marega, aos 19’, foi o responsável pelo único golo da partida – válido, pelo menos. Os dragões saíram vivos deste duelo, embora com algumas dificuldades. O Santa Clara descobriu, por várias vezes, o caminho para a área de Casillas e fez todo o Estádio tremer. O Porto apresentou uma equipa com “marcas” físicas próprias de quem tinha disputado uma importante partida poucos dias antes. Foi também um mau jogo para, principalmente, Otávio, Brahimi e Soares – muitos passes falhados, cedência de tempo e espaço ao adversário e erros nas marcações. Valeu a atenção de Iker Casillas… e os dois golos (bem) anulados ao Santa Clara.

No fim da jornada houve chuva de golos no Estádio Da Luz – as águias venceram por 6-0 o Marítimo. João Félix abriu o marcador aos três minutos e Pizzi, aos 49’, fez o segundo. Aos 65’, novamente Félix que, passados 6 minutos, assistiu Cervi para o quarto dos encarnados. O argentino bisou aos 88 e Toto Salvio, de cabeça, fechou as contas desta partida que permitiu que a equipa de Bruno Lage recuperasse o primeiro lugar da Liga NOS.

O adetos do Paços de Ferreira festejam a subida à primeira divisão no fim do jogo da Segunda Liga com o Académico de Viseu, disputado no estádio Capital do Móvel, em Paços de Ferreira, 20 abril 2019.

Resta-nos dizer adeus ao Feirense e dar as boas-vindas ao Paços de Ferreira, de Vítor Oliveira. O treinador somou a sua 11ª promoção a este escalão. Quanto ao resto… é esperar para ver!

Inês Barbosa

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER