BlogMundo

Bielorrússia promete entrar na guerra se aliada Rússia for atacada

milenio stadium - mundo - bielorussia

 

A Bielorrússia entrará numa eventual guerra com o Ocidente se a sua aliada Rússia for atacada, garantiu o presidente bielorrusso, prometendo acolher “centenas de milhares” de soldados russos se houver um conflito.

“Haverá ou não guerra? Sim, haverá, mas apenas em dois casos: se houver agressão direta contra a Bielorrússia” ou “se o nosso aliado, a Federação Russa, for diretamente atacado”, disse Alexander Lukashenko numa comunicação ao país pela televisão.

O discurso do presidente bielorrusso surge num momento de elevada tensão entre a Rússia e os países ocidentais sobre a Ucrânia, em cuja fronteira Moscovo reuniu dezenas de milhares de tropas, enquanto se prepara para manobras militares conjuntas com a Bielorrússia.

A Rússia é o principal aliado da Bielorrússia e deu um apoio político crucial a Lukashenko durante os protestos sem precedentes que desafiaram a sua reeleição em 2020, os quais foram reprimidos pela força.

Na comunicação ao país, que durou várias horas, Lukashenko disse que o atual nível de tensão na Europa é crítico e prometeu acolher o exército russo na Bielorrússia em caso de guerra.

“Quero responder ao Ocidente sobre se haverá tropas no território da Bielorrússia. Para eles, esta questão é muito importante. Se o nosso país for atacado, centenas de milhares de tropas russas estarão aqui e defenderão esta terra sagrada juntamente com centenas de milhares de bielorrussos”, disse, citado pelas agências de notícias France-Presse e a espanhola EFE.

Ao mesmo tempo, Lukashenko disse que os bielorrussos não aceitam guerras nem as iniciarão, porque a guerra “é muito má, é assustadora”.

“Mas os líderes de alguns países, tendo-se esquecido disso, estão completamente atordoados. Eles estão a pensar em ganhar esta guerra. Não haverá vitória nesta guerra. Toda a gente perde. Portanto, não queremos guerra”, acrescentou.

Ucrânia e os países ocidentais acusaram a Rússia de ter enviado pelo menos 100 mil tropas para a fronteira ucraniana, nos últimos meses, com a intenção de invadir de novo o país vizinho, depois de ter anexado a península ucraniana da Crimeia, em 2014.

Moscovo exigiu o fim da política de expansão da NATO, incluindo para a Ucrânia e a Geórgia, a cessação de toda a cooperação militar ocidental com as antigas repúblicas soviéticas e a retirada das tropas e armamento dos aliados para as posições anteriores a 1997.

Os Estados Unidos e a NATO rejeitaram formalmente, na quarta-feira, as principais exigências de Moscovo, mas propuseram a via da diplomacia para lidar com a crise.

Em particular, abriram a porta a negociações sobre os limites recíprocos da instalação dos mísseis de curto e médio alcance das duas potências nucleares rivais na Europa, e sobre exercícios militares nas proximidades das fronteiras do campo adversário.

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER