BlogMúsica

2022 IPMA: E o vencedor é… a música portuguesa

ipma 2022 - milenio stadium

 

Os International Portuguese Music Awards (IPMA) regressaram em força na sua 10ª edição com um espetáculo que superou todos os anteriores. Desde a impressionante produção ao cartaz repleto de grandes estrelas da música portuguesa, entre elas Aurea, Delfins, Lúcia Moniz, Paulo Gonzo e Xutos & Pontapés, tivemos ainda a oportunidade de descobrir vibrantes novos talentos que estão a fazer história nas comunidades lusófonas por todo o globo. A cerimónia de prémios aconteceu na noite de 23 de abril em solo americano, no deslumbrante Providence Performing Arts Center, em Rhode Island – o estado com maior percentagem de população portuguesa nos Estados Unidos da América. Foram entregues troféus em 13 categorias e o painel de nomeados deste ano teve artistas vindos de nove países diferentes.

Os preparativos envolveram meses de planeamento e muitas horas de ensaio no dia anterior à premiação. Nos bastidores tivemos a oportunidade de conversar com Daniela Ruah, que apresentou esta edição ao lado de Ricardo Farias, e se mostrou entusiasmada por fazer parte desta festa da música portuguesa. “É uma sensação ótima poder estar na costa este, onde já não vinha há muitos anos. Eu vivo na costa oeste e, portanto, quando viajo para este lado é sempre para ir a Portugal. Estar aqui rodeada de artistas tem-me sabido tão bem. Ainda por cima, como falam todos inglês e português, há muitas brincadeiras e piadas culturais que nós conseguimos ter uns com os outros e há um sentido de humor muito particular. Temo-nos divertido imenso e os ensaios estão a correr lindamente. Poder ouvir os músicos a ensaiar pela primeira vez no palco é uma energia maravilhosa, tenho a certeza que vai correr super bem”, partilhou a atriz e apresentadora. Ricardo Farias acrescentou que a data é especial, principalmente porque são “10 anos de IPMA, estamos num recinto próprio para uma celebração tão grande como esta e com um elenco que em qualquer parte do mundo onde há portugueses adorariam ver um espetáculo destes. Hoje estou a partilhar o palco com a Daniela Ruah, não podia ter melhor companhia, e é muito gratificante fazer parte desta festa, como eu gosto de chamar”.

Deveras, o programa musical facilmente agradaria a qualquer português pelo mundo. Para este aniversário, os IPMA trouxeram ao palco grandes êxitos da música nacional. Os Delfins, que já não pisavam os palcos da América do Norte há mais de duas décadas, deixaram a audiência ao rubro com os clássicos Sou Como Um Rio e Nasce Selvagem. “Obviamente esta paragem mundial dos concertos e da música ao vivo afetou-nos muito profundamente, até porque a nossa vida é andar em viagem a tocar e fazer concertos. Por isso este regresso a uma cerimónia com esta dimensão, que é um upgrade em relação às edições anteriores dos IPMA, vai ser uma noite fabulosa”, revela o vocalista Miguel Ângelo. Também os Xutos & Pontapés agitaram o público com a energia contagiante de À Minha Maneira, Não Sou o Único e Minha Casinha. Tim disse estar “entusiasmadíssimo”, até porque “é muito bom encontrar uma série de amigos aqui enquanto venho tocar para as comunidades, é sempre muito bom”. A conquistar o público com os temas Leve Beijo Triste e Dei-te Quase Tudo, Paulo Gonzo e Lúcia Moniz apresentaram-se em dueto. O cantor recorda: “Eu já sou repetente, já participei nos IPMA em 2016, mas tudo evoluiu muito mais. Há muito mais pessoas, uma envolvência maior, uma expectativa maior também, está tudo muito bem organizado. E vir aqui à comunidade portuguesa é muito especial, sempre fui muito bem recebido aqui portanto já é um trunfo a meu favor.”

A entrada para o Providence Performing Arts Center encheu-se de brilho e glamour com a passadeira vermelha onde passaram os artistas nomeados para os prémios e convidados vindos de diferentes partes do mundo. Foi lá que conversamos com um dos idealizadores e organizadores deste projeto, Zach Xavier, que estava orgulhoso da gala deste ano. “Ver duas mil pessoas aqui esta noite é muito especial e estamos muito felizes pelo evento de hoje. De certo modo é surreal, não esperávamos conseguir atingir este nível. Penso que fez a diferença estar numa nova sala de espetáculos, ter novas ideias e expandir para o Canadá. Temos muito apoio do Canadá esta noite nos patrocínios, na audiência, no palco e nas nomeações. Foram todos estes fatores. Mas nunca pensámos chegar a este patamar”. O presidente da Camões Entertainment, uma das parceiras dos IPMA, subiu ao palco para anunciar o prémio de Novo Talento e falou sobre a importância de apostar no apoio à iniciativa: “Estou muito entusiasmado com esta noite, principalmente pela representação do Canadá e a evolução dos IPMA, por esta parceria que é um passo muito importante e também pelos 10 anos da vida de uma organização que tem sido sustentável e com a nossa participação vai ser sempre mais sustentável”.

O espetáculo encheu a plateia do Providence Performing Arts Center. A noite abriu em tom animado com o ato humorístico dos The Portuguese Kids, que cativaram a audiência desde o primeiro segundo, a performance de fado com Ângelo Freire e uma mensagem de vídeo de Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República portuguesa. Os artistas luso-canadianos trouxeram vários prémios para casa. Um dos vencedores foi Peter Serrado e Stella Jurgen, que receberam o prémio de Melhor Videoclipe com o trabalho Lisbon. Peter Serrado revelou sentir-se “muito feliz por estar nos IPMA mais uma vez. Não estava à espera deste resultado. O vídeo teve muito trabalho envolvido então é bom sentir que valeu a pena. Foram muitos meses a fazer este vídeo, a Stella é incrível e o que ela faz não há muitos que fazem. Este não é só o meu prémio, também é dela”. A artista e apresentadora do programa de televisão Stella’s Studio partilhou do mesmo sentimento: “Estou encantada por estar aqui, é uma honra para mim receber este prémio. Este vídeo foi inspirado na canção Lisbon e, porque não pudemos ir a Lisboa para gravar, fizemos esta animação, fiquei contentíssima com o resultado”. Nick Souza levou para casa o galardão de Melhor Música Rap/Hip Hop com o single Light Show. “Estou muito feliz, muito grato pela oportunidade, pelo reconhecimento, por essa plataforma que ajuda a elevar as carreiras de artistas lusófonos do mundo inteiro. O Novo Talento premiado em 2022 foi a jovem luso-americana Giuliana Amaral, com o tema de rock Midnight Rider, que apresentou em palco: “É uma sensação que nunca tive na minha vida. Estou sem palavras, é uma honra mesmo só de estar aqui esta noite como nomeada, e agora receber o prémio deixa-me muito muito contente”. A artista vai agora ter a oportunidade de gravar com a MDC Media Music, sendo que este reconhecimento lhe valeu uma recompensa de $2000 e todas as despesas pagas da viagem a Toronto, Canadá. O presidente da gravadora mostrou-se satisfeito com a vitória da cantora e baixista de Boston: “Ela é uma artista promissora e estamos ansiosos por trabalhar com ela nos estúdios da MDC Music em Toronto”, afirma Manuel DaCosta.

Vários rostos conhecidos juntaram-se ainda ao prestigiado evento para anunciar os prémios ao longo da noite, entre eles o repórter John Dias e a coreógrafa Manuela Oliveira. Os IPMA finalizam os seus 10 anos de aniversário com a promessa de continuar a surpreender com o que de melhor se faz na música portuguesa.

Telma Pinguelo /MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER